Pesquisa revela que mais da metade das brasileiras não chega ao orgasmo

Por em 21/06/2016

De acordo com uma pesquisa feita pelo Projeto de Sexualidade (ProSex), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, mais da metade das brasileiras não chega ao orgasmo.

+ Site ensina mulheres a terem orgasmo

O levantamento entrevistou 3.000 mil participantes com idade entre 18 a 70 anos. Foram avaliados voluntários de sete regiões do país: São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Salvador, Belém, Porto Alegre e Distrito Federal.

No estudo, 55,6% das mulheres entrevistadas afirmaram ter dificuldade para chegar ao orgasmo. Entre as diversas causas apontadas, 67% responderam que têm dificuldade para se excitar e 59,7% admitiram sentir dor na relação.

A psiquiatra e coordenadora do ProSex, Carmita Abdo, explica que uma das razões da dificuldade é que muitas mulheres não se masturbam e, por não conhecerem seu corpo, acabam não se comunicando com o parceiro para explicar quais são os estímulos que mais gostam e com qual frequência.

+ Estudo revela por que algumas mulheres não conseguem alcançar o orgasmo

“A iniciação sexual da mulher costuma ser por estimulação clitoriana. Então, ela acaba menosprezando a estimulação vaginal”, diz Abdo.

Ainda segundo o levantamento, mais de um terço dos homens ouvidos (32,4%) afirma ter dificuldades para alcançar e manter a ereção. O pouco desejo sexual também é um problema para muitos homens, já que mais de 30% deles sofrem com a disfunção.

Carmita explica que, para ser considerada uma disfunção, a pessoa precisa se sentir desconfortável ou angustiada consigo mesmo, e não o seu parceiro.

+ Formato da vagina pode impactar no alcance do orgasmo, revela estudo

As dificuldades sexuais podem exercer um impacto negativo na vida das pessoas: afetam o amor próprio para mais de 25,8% dos homens e 25,9% das mulheres, além de interferir no relacionamento com o parceiro em 22,4% no caso dos homens e 21,8% quando se trata das mulheres.

Diz a psiquiatra: “Sexo é fator de qualidade de vida e, por isso, quando não está legal, pode prejudicar outras áreas”.