Vinho branco pode aumentar o risco de câncer de pele

Por Mariana Castro em 16/12/2016

O consumo de álcool já foi associado ao desenvolvimento de diversos tipos de câncer e um novo estudo acaba de adicionar mais uma forma desta doença para a lista. Pesquisadores da Universidade Brown, nos Estados Unidos, revelaram que, mesmo em pequenas quantidades, bebidas alcoólicas podem ser associadas a maiores índices de melanoma – a forma mais perigosa do câncer de pele.

+ Consumo de álcool pode desenvolver sete tipos de câncer, diz pesquisa

+ Câncer de pele: saiba como prevenir e fazer o autoexame

A pesquisa ainda foi além e descobriu que, comparado ao vinho tinto, cerveja ou licor, o vinho branco é o que mais causa impacto à saúde. A bebida aumenta em 13% o risco de melanoma pois contém, mais do que outras, um composto que danifica o DNA e impede sua reparação. “É uma substância cancerígena, o que explica a relação do álcool com câncer em diversas partes do corpo”, falou Eunyoung Cho, professora de dermatologia na universidade e uma das autoras do estudo, à CNN.

Eunyoung e seus colegas coletaram dados de estudos anteriores que envolviam mais de 210 mil participantes. Eles registraram seus hábitos de bebida, histórico de saúde e outras informações. Em um período de 18 anos de observação, 1.374 pessoas foram diagnosticadas com melanoma.

+ Abusar do álcool na adolescência afeta a memória, diz pesquisa

Os resultados também mostraram que os riscos aumentavam nas partes do corpo que não costumavam estar expostas ao sol. Pessoas que bebiam quase duas taças por dia, por exemplo, tinham apenas 2% a mais de chances de desenvolver câncer de pele nas regiões da cabeça, pescoço, braços e pernas. Em compensação, eles tinham uma chance 73% maior de ser diagnosticados com melanomas no tronco do que pessoas que não bebiam nada.

“Há uma hipótese de que melanomas em diferentes partes do corpo podem ter fatores de risco diferentes”, falou Cho. “De acordo com esse estudo, podemos assumir que este tipo de câncer é menos ligado à exposição ao sol e mais ligado a mecanismos biológicos do álcool que alteram o DNA”.

Foto: Getty Images