Uso do Facebook pode estar associado à longevidade, aponta pesquisa

Por Patricia Machado em 07/11/2016

Os fãs do Facebook terão mais um motivo para continuar apaixonados pela rede social. Uma nova pesquisa constatou que os usuários do Facebook podem viver mais do que as pessoas que não usam a ferramenta constantemente.

+ Checar redes sociais com frequência ao longo do dia atrapalha o sono, diz estudo

+ Quantas amizades verdadeiras você tem na sua rede social? Uma nova pesquisa tem a resposta

A pesquisa foi realizada por sociólogos da Universidade da Califórnia em San Diego, nos Estados Unidos, e envolveu 12 milhões de usuários do Facebook que nasceram entre 1945 e 1989. Os cientistas analisaram o estado de saúde desses usuários e estudaram os hábitos deles na rede social ao longo de seis meses.

Ao final do estudo, eles constataram que as pessoas que utilizavam o Facebook com frequência para reforçar as amizades que tinham na vida real tinham um risco de mortalidade 12% menor do que aqueles que nasceram no mesmo ano e que não usavam a rede social.

“Felizmente, para quase todos os usuários do Facebook, nós encontramos uma correlação entre o uso moderado do Facebook e um menor risco de mortalidade”, disse James Fowler, um dos autores do estudo, ao Daily Mail.

A pesquisa, no entanto, ainda não conseguiu determinar por que a rede social é capaz de influenciar na longevidade, mas os cientistas envolvidos no projeto acreditam que a resposta esteja na teoria desenvolvida pela socióloga Lisa Berkman, em 1979, que defende que as pessoas com vínculos sociais fortes têm uma expectativa de vida mais longa.

O estudo foi divulgado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

Foto: Getty Images