Tremor nas pálpebras pode ser sintoma de estresse, afirma especialista

Por Mariana Castro em 14/05/2018

Algumas coisas podem tirar do sério ao longo do dia. Uma delas é quando sua pálpebra insiste em tremer. Neste caso, não há nada que você possa fazer, a não ser esperar passar. O nome médico deste tremor nas pálpebras é mioclonia ou mioquimia palpebral. Se isso acontece com você com frequência, é preciso prestar atenção, pois na maioria dos casos está ligado a quadros de estresse.

Segundo a oftalmologista Tatiana Nahas, chefe do serviço de plástica ocular da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, o tremor nas pálpebras é uma condição, geralmente, benigna. “Na maioria dos pacientes, a mioclonia palpebral é um sinal de cansaço crônico, ansiedade, consumo excessivo de cafeína ou de álcool, ou ainda de deficiência de magnésio. Trata-se de uma queixa constante nos consultórios”, explica ela.

+ Síndrome do Intestino Irritável é fruto de estresse e má alimentação

+ Meditar regularmente pode ajudar a reduzir o estresse, diz estudo

Quando estamos estressados, liberamos hormônios, como o cortisol, que vão para o sistema nervoso autônomo, responsável por controlar funções como respiração e digestão. “Lá, eles geram estímulos para as pálpebras e isso faz com que elas tenham contrações involuntárias e repetitivas das fibras do músculo da região”, revela a especialista.

Mas, não é só o estresse que pode fazer suas pálpebras tremerem. O consumo além da conta de café e álcool também tem relação com a mioclonia. Outra causa comum é a deficiência de magnésio, que é um mineral ligado à transmissão de impulsos nervosos e às contrações musculares. Além disso, cansaço visual pode levar ao tremor. A vista costuma cansar após muitas horas em frente ao computador, falta de óculos, lentes com graus inadequados ou olho seco.

Tremores acompanhados de outros sintomas devem ser investigados

Não há nenhum tratamento para o tremor nas pálpebras. “O que é recomendado ao paciente é gerenciar o estresse, diminuir a ingestão de cafeína e álcool e trabalhar nos outros fatores de risco passíveis de prevenção, como reduzir a quantidade de horas em frente ao computador, consumir alimentos ricos em magnésio e assim por diante”, comenta a médica.

A mioclonia pode durar alguns minutos e persistir durante semanas, principalmente quando ligada ao estresse. “Não há com o que se preocupar se não existirem outros sintomas relacionados. Entretanto, se o tremor persistir e outras manifestações surgirem, como contrações musculares nos braços e nas pernas, alteração da força, cansaço crônico, perda de peso, alterações visuais, no paladar, olfato, entre outros, é preciso investigar”, finaliza Tatiana.

Fotos: Getty Images