Tomar anti-inflamatórios aumenta o risco de infarto, diz pesquisa

Por Mariana Castro em 31/03/2017

Remédios são utilizados para curar alguma enfermidade. Mas, nem todos são completamente seguros. Alguns apresentam contraindicações que, se ignoradas, podem gerar novos e graves problemas de saúde. É o caso dos anti-inflamatórios não-esteroides diclofenaco e o ibuprofeno, que aumentam o risco de doenças cardiovasculares.

+ Ibuprofeno não é tão eficaz para dores e pode gerar efeitos colaterais, diz estudo

+ Medicamentos genéricos: funcionam ou não?

Essa categoria de remédios já vem sendo estudada por casa dos seus efeitos para a saúde cardíaca. A nova pesquisa analisou o registro de paradas cardíacas na Dinamarca entre 2001 e 2010. Das 29 mil pessoas que sofreram infarto, três mil haviam feito uso de um dos anti-inflamatórios nos 30 dias anteriores ao evento, o que equivale a 12% do total.

Os resultados também revelaram que o ibuprofeno aumenta em mais de 30% o risco de parada cardíaca, enquanto o diclofenaco pode aumentar a incidência em 50%. “Permitir que esses medicamentos sejam adquiridos sem receita médica e sem qualquer conselho ou restrição envia uma mensagem ao público de que eles estão seguros”, disse Gunnar Gislason, coautor do estudo em uma nota reproduzida pela Sociedade Europeia de Cardiologia.

+ Conheça as vantagens e riscos da pílula anticoncepcional

Os pesquisadores alertam que pessoas com histórico de doenças cardiovasculares, como hipertensão, devem tomar ainda mais cuidado. De acordo com a bula dos remédios, pacientes com contraindicações só devem utilizar as medicações se prescritas por um médico.

Foto: Getty Images