Sedentarismo aumenta o risco de demência, conclui pesquisa

Por Mariana Castro em 07/02/2017

A maioria das pessoas já conhece os inúmeros os benefícios de se exercitar. Mas, um novo estudo revelou mais uma razão para você deixar o sedentarismo de lado e começar a mexer o corpo. Segundo os pesquisadores, um estilo de vida sedentário pode aumentar os riscos de demência, chegando a anular os genes que protegem o organismo da doença.

+ Praticar qualquer tipo de exercício traz felicidade, conclui pesquisa

+ Cientistas descobrem a quantidade ideal de exercícios para ajudar na prevenção de doenças

“Ser inativo pode anular completamente o efeito protetor de um conjunto saudável de genes”, explicou Jennifer Heisz, autora do estudo, ao site Health News. Além disso, o estudo revelou que os idosos que não praticavam algum tipo de atividade física apresentavam o mesmo risco de demência que aqueles que carregavam a mutação genética APOE, que favorece a ocorrência de demência vascular, Parkinson e Alzheimer.

Segundo os participantes fisicamente ativos do estudo, seus exercícios se baseavam em caminhadas três vezes por semana. “Isso significa que não é necessário treinar como um atleta olímpico para obter os benefícios de ser fisicamente ativo”, afirmou Jennifer.

+ O poder dos exercícios físicos: pessoas que acreditam têm melhores resultados, aponta estudo

Para o estudo, pesquisadores da Universidade McMaster, no Canadá, acompanharam mais de 1.600 adultos maiores de 65 anos, durante cinco anos. Por enquanto, não foi possível entender de que forma o exercício causa esse efeito benéfico ao corpo.

Quer começar a se exercitar? Clique aqui e encontre no Apontador a academia mais perto de você.

Foto: Getty Images