Relatório aponta que 73 países têm casos de transmissão do zika vírus

Por Patricia Machado em 08/11/2016

Em novembro de 2015, o Ministério da Saúde informou que havia, de fato, uma relação entre o surto de microcefalia no Nordeste e o zika vírus. Um ano depois, os casos de zika aumentaram e a Organização Mundial da Saúde (OMS) ainda não sabe o que fazer para conter o problema.

+ Como se proteger o zika vírus

+ Doadores de sangue passarão por triagem paea zika e chikungunya

Desde 2007, quando o primeiro caso foi registrado, 73 países foram alvo da transmissão do vírus. Desses, 67 afirmaram que o surto aconteceu a partir de 2015. Além disso, sete deles relataram sofrer uma crise endêmica.

Por considerar complicado realizar a contagem de pessoas que foram contaminadas pelo zika vírus, a OMS apenas divulga dados relacionados ao número de casos de microcefalia. Até o momento, a organização apontava a ocorrência de 2.257 casos no mundo. O Brasil é o país que lidera o ranking, com 2.079. Em seguida vem a Colômbia, com 54, e os Estados Unidos, com 28.

De acordo com a organização de saúde, não resta dúvidas de que a proliferação do vírus irá continuar e que ele já se “instalou” em países tropicais. “Teremos zika em todos os países que registrarem a presença de mosquito”, disse Monika Gehner, porta-voz da OMS ao Estadão.

Sendo assim, a entidade pede para que os governos invistam em soluções para cuidar das crianças e das famílias que foram afetas pela microcefalia, ao invés de apenas tentar conter a proliferação do mosquito.

Foto: Getty Images