Praticar exercícios pode reverter estágio inicial de demência, diz estudo

Por Mariana Castro em 02/08/2016

Uma das recomendações médicas mais comuns é a prática regular de exercício físico. Os benefícios de se manter ativo são inúmeros e um novo estudo acaba de revelar mais um: se exercitar quatro vezes por semana pode reverter casos de comprometimento cognitivo leve, que é o estágio inicial de síndromes como Alzheimer e demência.

+ Saiba o que o exercício é capaz de fazer com seu cérebro

Pessoas com essa condição apresentam, como principal sintoma, perda de memória incompatível com sua idade. Para entender como os exercícios são capazes de combater doenças mentais, os cientistas contaram com a colaboração de voluntários que tinham comprometimento cognitivo e que tinham idades entre 55 e 89 anos.

Durante a fase de pesquisa de campo, eles foram divididos em dois grupos. O primeiro grupo fez 45 minutos de exercício físico intenso quatro vezes por semana enquanto o segundo grupo fez apenas alongamentos leves.

Os resultados do estudo revelaram um aumento no hipocampo (parte do cérebro responsável por pensamentos e emoções) após seis meses nos voluntários que participaram das intensas atividades físicas. O fluxo sanguíneo na região também se intensificou e os sintomas da condição foram aliviados, melhorando a capacidade dos participantes de realizarem atividades diárias, fazer planos e realizar multitarefas.

+ Exercícios físicos podem reduzir os sintomas da menopausa, diz estudo

+ Quatro dicas para praticar exercícios no inverno

Essa é a primeira vez que especialistas encontram evidências de que o exercício físico pode ser usado no tratamento da demência. “Quando pensamos em tratamentos para problemas de memória, precisamos considerar opções que vão além dos remédios. Exercícios têm, cada vez mais, ajudado a diminuir os riscos de demência”, disse James Pickett, chefe de pesquisa no instituto Alzheimer’s Society, ao Daily Mail.

Foto: Thinkstock