Por que o refluxo é tão comum em bebês?

Por Mariana Castro em 06/10/2016

Os pais de primeira viagem costumam se assustar ao ver seus filhos regurgitando após uma refeição. No entanto, por mais estranho que isso possa parecer, o refluxo é algo normal e acontece com frequência. Dados oficiais revelam que mais da metade dos bebês com menos de três meses manifesta os sintomas do refluxo diariamente.

+ Oferecer ovo e amendoim durante a infância reduz o risco de alergias alimentares

+ Bebês que possuem uma cabeça grande são mais inteligentes, diz pesquisa

De acordo com uma entrevista dada por Kirsten Thompson, pediatra na Universidade de Western, na Austrália, ao The Conversation, o refluxo gastroesofágico acontece quando a comida chega até o estômago, mas é regurgitada de volta para o esôfago. Depois que isso ocorre, ela pode voltar para o estômago ou chegar até a boca, causando vômito.

Por causa disso, o refluxo pode acontecer diversas vezes por dia em bebês, principalmente após a alimentação. E, como eles ficam deitados na maior parte do tempo, a comida tem maior dificuldade para se acomodar no estômago.

Outro fator que influencia no refluxo é o fato da alimentação dos bebês ser composta por líquidos, que não têm peso e densidade suficientes para permanecer no estômago. Seus músculos também não estão plenamente desenvolvidos, e o esôfago ainda é relativamente curto, o que diminui a distância que a comida tem que percorrer para chegar a boca.

Mas, a condição não é necessariamente algo ruim. Se o bebê tomou uma grande quantidade de leite, por exemplo, o refluxo é um jeito de reduzir a pressão do corpo, aliviando desconfortos de um estômago muito cheio.

Quais são os sintomas do refluxo?

O sintoma mais comum do refluxo é derramar um pouco de leite pela boca após a alimentação. Às vezes, quando o líquido se mistura com o ácido do estômago e volta para o esôfago, ele pode causar dor. Os sintomas também envolvem choro constante na hora de comer.

Além disso, é necessário ficar atento para os vômitos mais significantes após a refeição, pois isso pode impedir o bebê de ganhar peso.

Como tratar?

Na maioria dos casos, o refluxo não leva a consequências mais graves para a saúde do bebê e os sintomas se aliviam naturalmente. Apesar de muito comum, menos de 5% dos bebês continua tendo refluxo ao completar um ano de vida. Isso acontece porque os fatores que o provocam também se desenvolvem com o tempo.

Algumas dicas práticas para aliviar a condição incluem deixar o bebê deitado de barriga para baixo ou de lado após as refeições, mas apenas quando estiverem acordados e sendo supervisionados por alguém. Durante os primeiros meses, garanta que o peso do bebê esteja sendo monitorado e que os médicos estão atentos aos sintomas do refluxo.

Foto: Getty Images