Saúde e Bem-Estar

Pesquisa descobre por que algumas pessoas odeiam ouvir outras mastigando

Pesquisa descobre por que algumas pessoas odeiam ouvir outras mastigando

Comer em conjunto pode ser uma experiência interessante. Ouvir a mastigação de outras pessoas é capaz de despertar diversas reações – e algumas não são tão agradáveis. O que pode ser um leve incômodo para alguns, para outros pode beirar o ódio. E não é frescura, não. O nome disso é misofonia, uma condição caracterizada por reações intensas a sons específicos.

Cientistas britânicos revelaram o que pode ser a causa para essa resposta emocional diante de sons de mastigação ou respiração. Para isso, eles recrutaram vinte voluntários que sofriam com a condição e 22 que não apresentavam o problema. Seus cérebros foram examinados enquanto eles ouviam sons neutros, como a chuva, sons mais incômodos, como gritos, e sons que ativavam a doença.

+ Jantar em frente à televisão faz você comer mais rápido e pior, aponta estudo

+ Falta de sono pode fazer você comer mais, aponta pesquisa

Os resultados mostraram que, nos voluntários que apresentam a condição, as conexões com outras partes do cérebro aconteciam de forma diferente. Em momentos de misofonia, o córtex insular anterior, parte do cérebro que une as sensações e as emoções, estava excessivamente ativa. “Eles começam a ficar extenuados quando começam a ouvir esses sons, mas a atividade era específica sobre esses sons que ativam a doença, não os outros dois”, explicou o pesquisador Sukhbinder Kumar, da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, à CNN.

Conviver com a misofonia pode ser uma tarefa difícil. Segundo relatos dos participantes, o sentimento não é de nojo ou desgosto, mas de raiva. Assim, eles podem ter respostas exageradas, que pareçam inadmissíveis para quem não entende a condição. Além disso, não há um diagnóstico claro para o problema, o que torna incerto o número de pessoas que sofre com ele.

+ Seis alimentos para comer antes do primeiro encontro

A esperança dos pesquisadores é que uma maior compreensão de como funciona o cérebro de pessoas com misofonia ajude em seu tratamento. Por enquanto, algumas formas de driblá-lo são usando tampões de ouvido e evitando cafeína e álcool, que podem piorar a condição.

Foto: Getty Images

Mais em Saúde e Bem-Estar

Bananas is good way for healthy carbs

O que comer antes e depois de uma atividade física?

Mariana Castro21/02/2017
Woman receiving cosmetic treatment

Como rejuvenescer a pele sem realizar procedimentos cirúrgicos?

Patricia Machado21/02/2017
Girls dancing at the festival

Dicas para cuidar dos olhos durante o carnaval

Redação Apontador20/02/2017
Happy woman at cafe using laptop

Marca de preservativos lança primeiro chatbot sobre saúde sexual no Brasil

Mariana Castro20/02/2017
Woman measuring her waist

Gene encontrado em verme pode ajudar a combater a obesidade, aponta estudo

Mariana Castro20/02/2017
Marijuana bud

Anvisa autoriza uso de medicamento à base de maconha para tratamento de Alzheimer

Patricia Machado17/02/2017
Doctor's and patient's hand

Câncer é a principal causa de morte por doença entre pessoas de 15 e 29 anos, diz estudo

Patricia Machado15/02/2017
idoso cartao de natal - imagem 3 - reproducao

Idoso com demência recebe cartões no dia dos namorados de pessoas desconhecidas

Mariana Castro14/02/2017
Noisy Nursery Lesson

Ruído nas escolas pode acarretar danos à audição de alunos e professores

Redação Apontador14/02/2017
Measuring fatty abdominal

Dormir menos de 7 horas por dia engorda, garante estudo

Patricia Machado13/02/2017
Alcohol cleaning gel

Anvisa suspende lote de gel antisséptico

Mariana Castro13/02/2017
girl in the forest uses the spray against mosquitoes

Oito produtos que podem perder o efeito ou fazer mal à saúde após o prazo de validade

Redação Apontador13/02/2017
Father and son future

Poupatempo ajuda no reconhecimento de parternidade

Mariana Castro13/02/2017
Audience with hands in the air at a music festival

Pesquisa descobre que música, sexo e drogas ativam as mesmas substâncias no cérebro

Mariana Castro10/02/2017
cadeira de rodas - divulgacao

Tecnologia permite que cadeiras de rodas sejam guiadas por expressões faciais

Patricia Machado10/02/2017