Mais da metade das brasileiras não quer engravidar por causa do zika vírus, aponta estudo

Por Patricia Machado em 27/12/2016

Desde que a epidemia do zika vírus atingiu o país, em 2015, muitas mulheres se assustam com a ideia de engravidar em meio a esse quadro. Uma pesquisa realizada recentemente descobriu que 56% das brasileiras em idade reprodutiva estão tentando evitar uma futura gravidez por terem medo do bebê nascer com microcefalia.

+ Lei permite a presença de doulas em maternidades de São Paulo

+ Qual é o papel do pai durante a gestação?

O estudo publicado no periódico Journal of Family Planning and Reproductive Health Care entrevistou 2.002 mulheres com idades entre 18 e 39 anos. Além das mulheres que estão evitando a gestação, 27% disseram não ter tomado qualquer medida e 16% alegaram não ter o desejo de ter um filho, independente da situação.

Dentre as mulheres que estão preocupadas com o tema e usando métodos contraceptivos, 66% delas vivem no norte do país, região mais afetada pela epidemia, e 46% residem no sul. Outra descoberta revelou que as negras e mestiças são as mais preocupadas com o tema quando comparadas com as mulheres brancas.

Uma hipótese para isso é o fato de que algumas pesquisas apontam que as negras e mestiças estão nos grupos raciais mais afetados. Até o momento, acredita-se que o Brasil tenha dois mil casos de microcefalia ligados ao zika vírus.

Foto: Getty Images