Governo aprova novas regras para doação de sangue e transplante de órgãos

Por Mariana Castro em 13/03/2017

Na semana passada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Saúde alertaram a população sobre o risco de transmissão de febre amarela através da doação de sangue e órgãos. A nota foi emitida devido aos inúmeros casos da doença que têm sido registrados, a fim de evitar novos contágios.

+ Campanha conscientiza as pessoas sobre a importância da doação de órgãos

+ Como e onde doar sangue

Por causa disso, as instituições estabeleceram novos critérios para casos de doação de sangue e transplante de órgãos. Confira:

Doação de sangue

Os novos critérios determinam que pessoas vacinadas devem esperar, pelo menos, quatro semanas para doar sangue após a vacina. Além disso, moradores de áreas de risco, como áreas rurais, silvestres ou de mata dos municípios com casos confirmados, só poderão doar ao comprovarem sua vacinação.

Os que viajaram para essas áreas devem esperar trinta dias após o retorno da viagem para doar sangue. Quem contraiu a doença deverá esperar seis meses após sua recuperação total para ser considerado apto a doar sangue novamente.

Transplante de órgãos

Para quem pretende doar órgãos, as recomendações são diferentes. Candidatos para receber um transplante e que sofreram com a doença ficarão impossibilitados durante trinta dias após a recuperação. Para os doadores de tecido, a espera deve ser de seis meses. Durante a entrevista para se candidatar, é necessário informar a possível presença de sintomas da febre amarela.

Além disso, quem foi vacinado recentemente deve esperar quatro semanas para realizar esses procedimentos. Também é recomendável que os pacientes que precisam receber transplante recebam a vacina imediatamente e esperem quatro meses para voltar para a lista de espera.

Foto: Thinkstock