Fazer jejum pode retardar o envelhecimento, afirma pesquisa

Por Mariana Castro em 09/03/2017

As pessoas vivem buscando estratégias para se manterem jovens e saudáveis. Novos estudos revelaram que uma dieta em específico, vista por muitos como radical, pode ser a chave para alcançar esse objetivo e ainda ter uma vida mais longa. Ela consiste em uma imitação do jejum. Mas, fique tranquilo, o esforço é esporádico e dura apenas cinco dias por mês.

+ Fazer exercício físico retarda o envelhecimento, conclui pesquisa

+ Quando e como devemos consumir frutas?

Pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, recrutaram 71 voluntários para testar a dieta. Eles fizeram a restrição calórica por cinco dias, ao longo de três meses, com uma alimentação baseada em vegetais, sopas, bebidas e barras energéticas, lanches saudáveis, vitaminas e suplementos minerais.

A dieta consiste em reduzir, no primeiro dia, 50% das calorias consumidas, aproximadamente 1.100 calorias, e 70%, cerca de 700 calorias, nos outros quatro dias. Os resultados mostraram que a dieta que imita o jejum reduziu a pressão sanguínea, o índice de massa corporal e os níveis do hormônio ligado a doenças de envelhecimento dos participantes. Ela ainda melhorou os níveis de glicose, colesterol e triglicérides, gordura ligada a problemas de saúde.

+ Alimentos e nutrientes que combatem a celulite

Os efeitos da dieta não ocorreram apenas durante o período de jejum, mas principalmente durante a recuperação. Os benefícios são ainda maiores em pessoas obesas ou com outras taxas alteradas. Para essas pessoas, recomenda-se repetir a dieta uma vez por mês. Quem tem uma saúde boa, em geral, deve repeti-la apenas duas vezes por ano, lembrando que manter a restrição calórica por um longo prazo pode causar efeitos negativos.

Foto: Getty Images