Estresse na infância pode acelerar o envelhecimento, aponta estudo

Por Patricia Machado em 11/10/2016

Um novo estudo realizado pela Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, sugere que o estresse causado por traumas vividos durante a infância é capaz de acelerar e impactar no envelhecimento da pessoa ao chegar na vida adulta.

+ Estudo determina o tempo máximo de vida para os seres humanos

+ Ler livros pode fazer você viver mais, conclui pesquisa

Para a pesquisa, os cientistas contaram com a colaboração de 4.598 homens e mulheres com mais de 50 anos e que viviam nos Estados Unidos. Eles tiveram que responder perguntas sobre as experiências traumáticas vividas ao longo de suas vidas entre 1992 e 2008.

O objetivo era descobrir se, até os 18 anos, eles haviam passado por situações que envolvessem dificuldades financeiras, perda de emprego de um familiar, despejo dos parentes ou se um dos progenitores foi alcoólatra ou dependente químico. Além disso, eles precisavam informar se apanharam, se foram agredidos sexualmente ou se tiveram problemas com a polícia durante a adolescência.

Depois, os pesquisadores analisaram as glândulas salivares dos voluntários para medir o comprimento dos telômeros. Eles funcionam como uma capa protetora dos cromossomos e têm o objetivo de impedir o desgaste dessas estruturas.

Durante o processo de envelhecimento, essa capa vai diminuindo e levando à morte das células. Os resultados mostraram que cada experiência traumática vivida durante a infância aumentava a redução dos telômeros em 11% assim que as pessoas completassem 50 anos de idade. Portanto, reduzia a expectativa de vida desses adultos.

Foto: Getty Images