Saúde e Bem-Estar

Dormir com raiva favorece a criação de memórias negativas, diz pesquisa

Dormir com raiva favorece a criação de memórias negativas, diz pesquisa

Se você brigou com sua parceira, se desentendeu com um amigo ou se frustrou com alguma situação, resolva tudo antes de ir para a cama. A dica parece fazer parte de um livro de autoajuda, mas novas evidências científicas descobriram que dormir com raiva não é uma boa ideia. De acordo com os pesquisadores, o sono faz com que sentimentos e memórias ruins fiquem armazenados mais facilmente no cérebro.

+ 6 alimentos capazes de melhorar a memória

+ Memória da mulher é melhor do que a do homem, comprova estudo

Os pesquisadores chineses e estadunidenses revelaram que, durante o sono, o cérebro reorganiza o armazenamento de memórias negativas, tornando mais difícil que a pessoa se esqueça delas. A descoberta pode ajudar no tratamento de transtornos psicológicos associados a traumas, como depressão e estresse pós-traumático.

Para o estudo, 73 estudantes do sexo masculino foram submetidos a testes durante dois dias. Primeiro, eles foram treinados para associar rostos neutros a imagens inquietantes, como pessoas machucadas e crianças chorando. Depois, eles olhavam os rostos novamente e eram instruídos a relembrar da imagem que haviam associado ao rosto ou a evitar essa associação, conscientemente.

Quando o segundo exercício era feito após 30 minutos da realização da primeira etapa, os participantes tinham 9% menos chances de lembrar das imagens que estavam tentando evitar. Mas, quando eles faziam o segundo teste após uma boa noite de sono, eles tinham apenas 3% a menos de chances, provando que a repressão desta memória era mais difícil após o sono.

+ Estresse faz bem para a memória, diz pesquisa

Exames de ressonância magnética revelaram que memórias recém adquiridas representavam uma atividade cerebral localizada no hipocampo, o centro de memória do cérebro. Mas, durante a noite, essas lembranças se distribuíam para o córtex, onde se armazena a memória de longo prazo. “Por isso, sugerimos que você resolva suas brigas antes de se deitar”, disse Yunzhe Liu, pesquisador da Universidade Normal de Pequim e um dos autores do estudo, ao The Guardian.

Foto: Getty Images

Mais em Saúde e Bem-Estar

Woman body on beach background

Dermatologista aponta os procedimentos estéticos que devem bombar em 2017

Carolina Romanini23/01/2017
execícios de cachorros 1 - reprodução

Personal cria treino para humanos que reproduz os movimentos dos cachorros

Mariana Castro23/01/2017
cerveja e ioga - imagem 1 - reproducao

Estúdio na Alemanha cria modalidade que mistura ioga com cerveja

Patricia Machado23/01/2017
woman beauty

Lente de contato dental: o que é e quando usar

Redação Apontador23/01/2017
Self-confident brunette looking at reflection

Procedimentos estéticos são alternativa à bichectomia

Patricia Machado20/01/2017
Sad baby in bed

Acupuntura pode ajudar bebês que choram excessivamente, diz pesquisa

Patricia Machado20/01/2017
Green tea

Sete benefícios do chá verde para a saúde

Mariana Castro19/01/2017
unhappy man suffering from backache at home

Casos de pedra nos rins são mais comuns no verão

Patricia Machado19/01/2017
young woman runner running on city bridge road

Exercícios de alta intensidade têm o mesmo efeito que atividades moderadas, diz estudo

Mariana Castro18/01/2017
makeup artist glues false eyelashes

Maquiagem nos olhos pode favorecer o surgimento de terçol

Redação Apontador18/01/2017
bebida alcoolica e aumento de apetite - getty images

Consumir bebida alcoólica aumenta o apetite, comprova estudo

Patricia Machado18/01/2017
Sick

Como diferenciar os sintomas da dengue, zika e chikungunya

Carolina Romanini17/01/2017
Mexican chili con carne in a pan on a wooden

Comida apimentada pode reduzir o risco de morte, aponta pesquisa

Mariana Castro16/01/2017
portrait of happy young business man at office

Levantar durante o trabalho ajuda a queimar calorias, diz estudo

Patricia Machado16/01/2017
Salt spilling on table from salt cellar

Reduzir o consumo de sal poderia salvar milhões de vidas, aponta estudo

Patricia Machado16/01/2017