Como funciona o processo de congelamento de óvulos?

Por Redação Apontador em 17/03/2017

Muitas mudanças têm acontecido na vida da mulher moderna. Hoje em dia, ela tem conquistado espaço no mercado de trabalho e pode se dedicar à construção de uma carreira de sucesso, se assim desejar. Isso, dentre outros fatores, pode levar a mulher a postergar a maternidade.

+ Maioria das mães brasileiras não planejava engravidar, aponta estudo

+ Infertilidade masculina: conheça as causas e tratamentos disponíveis

Quando é chegada a hora de realizar esse sonho, o avanço da tecnologia pode ser um aliado, oferecendo procedimentos que viabilizam uma gravidez tardia de sucesso. O congelamento de óvulos é um deles. Apesar ser de ser um procedimento muito simples, ele ainda é pouco conhecido. A técnica pode ser realizada em clínicas de reprodução humana e dura entre 15 e 30 minutos.

Os óvulos coletados são conservados em temperaturas extremamente baixas (-196ºC) até que a mulher queira descongelar. Então, os óvulos são fertilizados e os embriões gerados transferidos para o útero. O número de óvulos que deve ser congelado para garantir uma gestação varia para cada caso.

+ Gravidez precoce é responsável por mais da metade das internações entre jovens no Brasil

O congelamento pode durar vários anos e isso não reduz a eficácia do procedimento. No entanto, a idade da mulher no momento de congelar os óvulos pode afetar as chances de bons resultados. Acredita-se que o sucesso é menor quando a mulher opta pelo congelamento depois dos 36 anos. O recomendado é que, uma vez que se decida adiar a gravidez até determinada idade, a mulher realize o procedimento cerca de dez anos antes.

Uma pesquisa publicada recentemente revelou que o congelamento dos óvulos não aumenta o risco de malformações fetais. Além disso, não existem riscos aumentados para alterações cromossômicas de embriões formados com óvulos congelados quando comparados com óvulos frescos, mesmo após longos períodos de armazenamento.

Os custos do procedimento são divididos em três fases:

  • Consulta médica, medicação de estímulo ovariano e coleta de óvulos;
  • Armazenamento de óvulos – geralmente, cobra-se taxa semestral ou anual para a manutenção do congelamento;
  • Descongelamento dos óvulos, fertilização in vitro e transferência dos embriões quando a mulher desejar engravidar;

Conheça alguns fatores que devem ser levados em consideração antes de realizar o congelamento dos óvulos:

  • Histórico de menopausa precoce na família

Se as mulheres da sua família têm histórico de menopausa precoce, é um sinal de que a condição também pode ocorrer com você. Nesse caso, o congelamento de óvulos pode ser uma alternativa porque a mulher pode querer engravidar quando a sua reserva de folículos ovarianos estiver em iminência de esgotar.

  • Quem sofre de doenças, como endometriose, ou passou por cirurgia ovariana

A endometriose e alguns procedimentos cirúrgicos podem diminuir a reserva ovariana e também culminar em menopausa precoce. Como precaução, o congelamento de óvulos pode ser uma boa opção.

  • Mulheres que descobriram um câncer

Os tratamentos para combater o câncer podem fazer a mulher desenvolver menopausa precoce e infertilidade. O congelamento de óvulos é uma solução para garantir que o desejo de engravidar não seja afetado após a tratamento oncológico.

Procurando uma clínica especializada em congelamento de óvulos? Clique aqui e faça a sua busca no Apontador.

Foto: Getty Images