Cigarro estimula produção de enzima que entope as artérias, conclui pesquisa

Por Mariana Castro em 10/05/2017

Já se sabe o quanto o cigarro pode prejudicar a saúde dos seres humanos. Por ano, o tabagismo causa cerca de 1,6 milhão de mortes. Além disso, de acordo com os resultados obtidos por uma nova pesquisa, fumar causa um em cada cinco casos de aterosclerose, que é o acúmulo de gordura, colesterol ou outra substância na parede das artérias.

+ Fumar um maço de cigarro por dia gera 150 mutações nas células do pulmão por ano

+ Acreditar nos efeitos da nicotina pode agravar o vício em cigarro, conclui pesquisa

Segundo os cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, o tabagismo pode danificar até 60% de um gene que protege as artérias de obstrução. Para isso, eles analisaram mais de 60 mil casos de aterosclerose, além de 80 mil dados reunidos em 29 estudos que relacionam genética e cigarro.

A partir do estudo, eles descobriram que alterações no cromossomo 15 estavam ligadas a menores riscos dessa doença – 12% no caso de quem nunca fumou e 5% no caso dos fumantes.

Os pesquisadores ainda utilizaram ratos para entender melhor as consequências de mudanças nesse cromossomo. Os animais que foram modificados geneticamente produziram menos enzimas do tipo ADAMTS7 e tiveram um menor acúmulo de gordura nas artérias.

A fim de confirmar a influência do fumo na quantidade da enzima, que é responsável pelo acúmulo de lipídios na corrente sanguínea, eles aplicaram a fumaça do cigarro em forma líquida na artéria dos ratos. Isso dobrou a produção da enzima, o que comprovava que o tabagismo pode aumentar os riscos de entupimento das artérias.

Foto: Getty Images