Cientistas descobrem a quantidade ideal de exercícios para ajudar na prevenção de doenças

Por Patricia Machado em 10/08/2016

A recomendação da Organização Mundial da Saúde é de que as pessoas façam duas horas e meia de exercício físico por semana para ter uma vida saudável e evitar problemas crônicos de saúde. No entanto, uma nova pesquisa contesta essa determinação e sugere que uma rotina mais intensa de atividades evita a ocorrência de diabetes, problemas no coração, derrame e o surgimento do câncer.

+ Os benefícios do esporte para o corpo e para a mente 

+ Os esportes olímpicos que queimam mais calorias 

A pesquisa foi liderada por cientistas da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, e da Universidade de Queensland, na Austrália. Segundo eles, é preciso fazer 12 horas e meia de exercícios moderados por semana para evitar o surgimento de doenças e problemas de saúde. A quantidade é cinco vezes maior do que a recomendada pelo órgão que regulamenta a saúde no mundo.

Além disso, o estudo concluiu que esses benefícios também são alcançados caso as pessoas façam cerca de 6 horas de uma atividade física intensa. “As pessoas que realizam exercícios por mais tempo do que o recomendado conseguem ter uma redução significativa no aparecimento de diabetes, doenças do coração, derrames, câncer de mama e câncer de intestino”, escreveram os autores da pesquisa, que foi divulgada no periódico British Medical Journal.

Os cientistas analisaram 174 estudos que foram publicados entre 1980 e 2016 e procuraram uma relação entre a prática de atividade física e o aparecimento de doenças.

Os resultados mostraram que a realização de exercícios moderados por 12 ou até 16 horas por semana reduz em 50% a chance das pessoas desenvolverem doenças do coração quando comparadas com aquelas que se exercitam apenas por duas horas e meia. Já a ocorrência de derrames, diabetes e câncer de intestino diminui 60% e de câncer de mama cai para 20%.

Foto: Thinkstock