Bebês nascidos por reprodução assistida podem herdar problemas de fertilidade, aponta pesquisa

Por Patricia Machado em 10/10/2016

A maioria dos casais que encontra dificuldade para engravidar busca a reprodução assistida como alternativa para realizar o sonho de ter um filho. Dados divulgados em 2013 mostraram que cinco milhões de crianças nasceram através desse método no mundo. No Brasil, cerca de 300 mil crianças foram concebidas desta maneira.

+ As principais dúvidas sobre a primeira consulta ao ginecologista

+ Três dicas para o início da vida sexual

No entanto, uma pesquisa divulgada no periódico Human Reproduction descobriu que os filhos podem herdar os problemas relacionados à infertilidade dos pais que precisaram realizar um tratamento chamado injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI, na sigla em inglês).

O objetivo do método criado em 1990 é ajudar homens com problemas nos espermatozoides. Por esse motivo, o tratamento, realizado em laboratório, selecionava um espermatozoide de boa qualidade e o injetava diretamente no óvulo.

Para chegar à conclusão apresentada pelo estudo, os cientistas da Universidade de Bruxelas, na Bélgica, contaram com a colaboração de 54 homens com idades entre 18 e 22 anos e que haviam nascido através do ICSI e compararam os resultados obtidos com 57 homens da mesma idade que foram concebidos naturalmente.

A análise dos dados permitiu que os pesquisadores percebessem que os filhos que nasceram através da reprodução assistida tinham quase a metade da concentração de espermatozoides e uma contagem até duas vezes mais baixa de esperma total e espermatozoides móveis em comparação com o grupo de pessoas que nasceram pelo método tradicional.

Além disso, quem nasceu através do método ICSI tinha o triplo de chance de  ter concentrações de esperma abaixo do nível considerado normal pela Organização Mundial da Saúde e era quatro vezes mais propenso a ter contagens totais de esperma abaixo de 39 milhões.

Foto: Getty Images