Saúde e Bem-Estar

Alimentos que já foram considerados vilões da saúde e hoje são aliados de muitas dietas

Alimentos que já foram considerados vilões da saúde e hoje são aliados de muitas dietas

Muitos alimentos que já foram considerados vilões da saúde, hoje são vistos como mocinhos em inúmeras dietas. Segundo a nutricionista e fitoterapeuta Vanderli Marchiori, formada pela faculdade São Camilo e pelo Manchester Institute, isto se deve ao fato de que as pesquisas sobre ação de fitoquímicos e nutrientes avançaram bastante no últimos dez anos.

+ Entenda o que está por trás da vontade de comer doce

Hoje, sabe-se que o equilíbrio é a base de tudo e que o consumo exagerado de qualquer alimento pode ser prejudicial. Mas afinal, quais são os grandes vilões que agora viraram mocinhos? Confira a lista feita pela especialista:

Amendoim

amendoim

Crédito: Pixabay

O excesso de peso da população sempre foi justificado pelo consumo de certos alimentos. Os amendoins, por exemplo, entraram nesta lista por serem considerados os causadores de obesidade devido ao seu alto valor calórico. No passado, acreditava-se também que os amendoins estavam todos contaminados por fungos.

+ Nutricionista lista os benefícios das combinações de alimentos tradicionais na mesa dos brasileiros

A grande verdade já comprovada é que, pelo menos há dez anos, a Fundação Pró-Amendoim acompanha produtores e atesta a ausência de aflatoxinas, o garante sua segurança. Já em relação ao peso, um estudo em especial constata que o consumo regular de amendoins mostrou-se eficaz no tratamento de obesidade e sobrepeso, bem como na redução de risco de doenças neurológicas e de alguns tipos de tumor. O grupo que consumiu 30g de amendoins no fim da tarde reduziu não só o peso corporal como a gordura abdominal.

É uma excelente notícia, pois a redução de gordura é sempre acompanhada por menores taxas de colesterol e de todas as gorduras corporais.

Glúten e Lactose

Baking supplies

Crédito: Thinkstock

 

O glúten e a lactose são considerados os dois vilões mais recentes da dieta. O glúten é a proteína presente no trigo, centeio e cevada. A lactose é o açúcar presente no leite de vaca. Atribui-se a estes dois nutrientes a grande capacidade de serem os responsáveis pela epidemia de obesidade. A verdade é que estes alimentos só são vilões para quem tem alguma doença associada ao seu consumo, como a doença celíaca ou a intolerância à lactose.

+ 5 alimentos que podem arruinar a dieta e sabotar a perda de peso

Fora destes grupos específicos, o consumo não só é seguro como bastante recomendado, pois o trigo é a melhor fonte de triptofano, que é um aminoácido importantíssimo para a melhora de humor e depressão. Já o leite de vaca é uma excelente fonte de proteínas e cálcio.

Ovo

ovo

Crédito: Pixabay

 

Se no passado todos os profissionais de saúde controlavam o consumo do ovo, pois cada gema era vista como uma ameaça ao colesterol, hoje já é fato que o consumo moderado de ovos, dentro de uma conduta equilibrada, não aumenta o colesterol e  melhora significativamente o cérebro, além de reduzir o apetite.

Abacate

abacate

Crédito: Pixabay

 

O abacate ainda é encarado como vilão por algumas pessoas, pois seu valor calórico é superior ao de várias outras frutas e rico em gorduras. Embora bastante calórico, estas gorduras são importantíssimas para a melhora do funcionamento cerebral, do sono e do sistema imunológico e, além disso, combatem a gordura abdominal.

+ Alimentos que ajudam a reduzir a gordura abdominal

Chocolate

chocolate

Crédito: Pixabay

O chocolate talvez seja o alimento mais odiado e evitado de todos os tempos. A imagem anterior era de um alimento rico em calorias que só faziam engordar. Atualmente, há centenas de estudos que comprovam que o cacau presente nos chocolates é fundamental para redução de apetite e do peso, além de melhorar a glicemia, atenção e disposição cerebral. Além disso, o chocolate é um alimento antioxidante, que por si só já ajuda na redução de riscos de doenças. Mas atenção: não estamos falando do chocolate ao leite, rico em açúcares, mas daqueles mais amargos e com alta porcentagem de cacau.

Saúde e Bem-Estar

Mais em Saúde e Bem-Estar

Green tea

Sete benefícios do chá verde para a saúde

Mariana Castro19/01/2017
unhappy man suffering from backache at home

Casos de pedra nos rins são mais comuns no verão

Patricia Machado19/01/2017
young woman runner running on city bridge road

Exercícios de alta intensidade têm o mesmo efeito que atividades moderadas, diz estudo

Mariana Castro18/01/2017
makeup artist glues false eyelashes

Maquiagem nos olhos pode favorecer o surgimento de terçol

Redação Apontador18/01/2017
bebida alcoolica e aumento de apetite - getty images

Consumir bebida alcoólica aumenta o apetite, comprova estudo

Patricia Machado18/01/2017
Sick

Como diferenciar os sintomas da dengue, zika e chikungunya

Carolina Romanini17/01/2017
Mexican chili con carne in a pan on a wooden

Comida apimentada pode reduzir o risco de morte, aponta pesquisa

Mariana Castro16/01/2017
portrait of happy young business man at office

Levantar durante o trabalho ajuda a queimar calorias, diz estudo

Patricia Machado16/01/2017
Salt spilling on table from salt cellar

Reduzir o consumo de sal poderia salvar milhões de vidas, aponta estudo

Patricia Machado16/01/2017
Feeling sick and tired.

Pesquisa descobre como o estresse aumenta o risco de doenças cardiovasculares

Mariana Castro15/01/2017
Woman meditating in the lotus position closeup

Meditação, Reiki e musicoterapia serão oferecidos pelo SUS

Patricia Machado13/01/2017
medium roast steak

Consumir carne vermelha em excesso pode causar doença intestinal, diz estudo

Mariana Castro13/01/2017
bonecas de proposito - reprodução

Aposentada cria bonecas terapêuticas para confortar crianças internadas

Mariana Castro13/01/2017
Boy using digital tablet while lying on rug at home

Uso excessivo de dispositivos móveis pode causar problemas de visão em crianças, diz estudo

Patricia Machado12/01/2017
projeto acucar - capa - reproducao

Projeto mostra a quantidade de açúcar em produtos industrializados

Patricia Machado11/01/2017