Saúde e Bem-Estar

Alimentos que já foram considerados vilões da saúde e hoje são aliados de muitas dietas

Alimentos que já foram considerados vilões da saúde e hoje são aliados de muitas dietas

Muitos alimentos que já foram considerados vilões da saúde, hoje são vistos como mocinhos em inúmeras dietas. Segundo a nutricionista e fitoterapeuta Vanderli Marchiori, formada pela faculdade São Camilo e pelo Manchester Institute, isto se deve ao fato de que as pesquisas sobre ação de fitoquímicos e nutrientes avançaram bastante no últimos dez anos.

+ Entenda o que está por trás da vontade de comer doce

Hoje, sabe-se que o equilíbrio é a base de tudo e que o consumo exagerado de qualquer alimento pode ser prejudicial. Mas afinal, quais são os grandes vilões que agora viraram mocinhos? Confira a lista feita pela especialista:

Amendoim

amendoim

Crédito: Pixabay

O excesso de peso da população sempre foi justificado pelo consumo de certos alimentos. Os amendoins, por exemplo, entraram nesta lista por serem considerados os causadores de obesidade devido ao seu alto valor calórico. No passado, acreditava-se também que os amendoins estavam todos contaminados por fungos.

+ Nutricionista lista os benefícios das combinações de alimentos tradicionais na mesa dos brasileiros

A grande verdade já comprovada é que, pelo menos há dez anos, a Fundação Pró-Amendoim acompanha produtores e atesta a ausência de aflatoxinas, o garante sua segurança. Já em relação ao peso, um estudo em especial constata que o consumo regular de amendoins mostrou-se eficaz no tratamento de obesidade e sobrepeso, bem como na redução de risco de doenças neurológicas e de alguns tipos de tumor. O grupo que consumiu 30g de amendoins no fim da tarde reduziu não só o peso corporal como a gordura abdominal.

É uma excelente notícia, pois a redução de gordura é sempre acompanhada por menores taxas de colesterol e de todas as gorduras corporais.

Glúten e Lactose

Baking supplies

Crédito: Thinkstock

 

O glúten e a lactose são considerados os dois vilões mais recentes da dieta. O glúten é a proteína presente no trigo, centeio e cevada. A lactose é o açúcar presente no leite de vaca. Atribui-se a estes dois nutrientes a grande capacidade de serem os responsáveis pela epidemia de obesidade. A verdade é que estes alimentos só são vilões para quem tem alguma doença associada ao seu consumo, como a doença celíaca ou a intolerância à lactose.

+ 5 alimentos que podem arruinar a dieta e sabotar a perda de peso

Fora destes grupos específicos, o consumo não só é seguro como bastante recomendado, pois o trigo é a melhor fonte de triptofano, que é um aminoácido importantíssimo para a melhora de humor e depressão. Já o leite de vaca é uma excelente fonte de proteínas e cálcio.

Ovo

ovo

Crédito: Pixabay

 

Se no passado todos os profissionais de saúde controlavam o consumo do ovo, pois cada gema era vista como uma ameaça ao colesterol, hoje já é fato que o consumo moderado de ovos, dentro de uma conduta equilibrada, não aumenta o colesterol e  melhora significativamente o cérebro, além de reduzir o apetite.

Abacate

abacate

Crédito: Pixabay

 

O abacate ainda é encarado como vilão por algumas pessoas, pois seu valor calórico é superior ao de várias outras frutas e rico em gorduras. Embora bastante calórico, estas gorduras são importantíssimas para a melhora do funcionamento cerebral, do sono e do sistema imunológico e, além disso, combatem a gordura abdominal.

+ Alimentos que ajudam a reduzir a gordura abdominal

Chocolate

chocolate

Crédito: Pixabay

O chocolate talvez seja o alimento mais odiado e evitado de todos os tempos. A imagem anterior era de um alimento rico em calorias que só faziam engordar. Atualmente, há centenas de estudos que comprovam que o cacau presente nos chocolates é fundamental para redução de apetite e do peso, além de melhorar a glicemia, atenção e disposição cerebral. Além disso, o chocolate é um alimento antioxidante, que por si só já ajuda na redução de riscos de doenças. Mas atenção: não estamos falando do chocolate ao leite, rico em açúcares, mas daqueles mais amargos e com alta porcentagem de cacau.

Saúde e Bem-Estar

Mais em Saúde e Bem-Estar

camisa sonora - imagem 3 - reproducao

Camisa tecnológica permite que deficientes auditivos “sintam” músicas clássicas

Mariana Castro26/05/2017
Tired man being overloaded at work

Dormir pouco pode afetar a aparência e arruinar a vida social das pessoas, diz estudo

Mariana Castro24/05/2017
HIV blood sample

Anvisa registra primeiro teste rápido para detecção do HIV

Patricia Machado23/05/2017
Woman sitting curled up

Ansiedade não controlada pode evoluir para sérios transtornos psicológicos

Mariana Castro23/05/2017
young woman sitting on couch and blowing nose

Problemas respiratórios aumentam as chances de infarto, diz pesquisa

Mariana Castro22/05/2017
Looking in mirror

França aprova lei que proíbe modelos extremamente magras

Mariana Castro22/05/2017
Hand Holding Small Marijuana Leaf with Cannabis Plants in Background

Anvisa reconhece Cannabis sativa como planta medicinal

Mariana Castro18/05/2017
Young woman picking her nails

Ansiedade: entenda o transtorno, sintomas e tratamentos

Mariana Castro16/05/2017
Fitness female athlete lifting weights in gym

Falar palavrões durante atividades físicas deixa as pessoas mais fortes, revela pesquisa

Mariana Castro12/05/2017
Pink breast cancer awareness ribbon in hand

Estudantes criam sutiã capaz de detectar sinais de câncer de mama

Mariana Castro11/05/2017
Woman hands holding cigarette outdoor.

Cigarro estimula produção de enzima que entope as artérias, conclui pesquisa

Mariana Castro10/05/2017
aula de cochilo - reproducao

Academia oferece aula de cochilo para queimar calorias e aliviar estresse

Mariana Castro09/05/2017
Close up of massage shoulder

Fazer massagem pode ser tão bom para o bem-estar quanto receber, revela estudo

Mariana Castro05/05/2017
Beautiful woman using mascara in bathroom

Dicas para manter os cílios fortes e saudáveis

Patricia Machado03/05/2017
Tired woman with tea in kitchen

Dormir muitas horas seguidas não compensa o ‘sono acumulado’, afirma pesquisa

Mariana Castro02/05/2017