Abusar do álcool na adolescência afeta a memória, diz pesquisa

Por Patricia Machado em 08/12/2016

A adolescência é um período aguardado com ansiedade pelas crianças. Afinal, a nova fase promete maior independência, além de garantir a experiência de diversas novidades como o primeiro beijo, o primeiro amor e até a primeira ressaca. No entanto, ao que tudo indica, os jovens estão passando dos limites e causando prejuízos para o seu desenvolvimento no que se refere a este último item.

+ Propaganda aumenta o consumo de bebida alcoólica entre adolescentes, alerta estudo

+ Estudo revela que jovens estão trocando refeições por bebidas alcoólicas

Uma pesquisa feita pela Universidade da Finlândia Oriental, na Finlândia, quis entender o comportamento dos jovens em relação ao consumo de bebida alcoólica e as consequências de tais hábitos para o seu crescimento.

Eles acompanharam 62 jovens durante dois anos. Ao longo desse período, os voluntários tinham que responder perguntas sobre o seu bem-estar e dizer a frequência que tomavam alguns drinques quando tinham entre 13 e 18 anos. Depois, eles faziam exames de escaneamento cerebral para os cientistas observarem como o excesso de bebida afetava os adolescentes.

Os resultados revelaram que 35 dos jovens entrevistados abusavam do consumo de bebidas alcoólicas. Eles disseram que bebiam pelo menos quatro vezes por semana ou que bebiam muito, mas com menor frequência. Já os demais bebiam moderadamente.

Após cruzarem essa informação com o resultado do exame cerebral, os pesquisadores descobriram que os adolescentes que bebem em excesso têm maior chance de ter menos volume de massa cinzenta no cérebro, uma vez que o álcool atrapalha o seu desenvolvimento. Por causa disso, os jovens podem ter as funções de memória, tomada de decisões e autocontrole afetadas.

O estudo foi publicado na revista científica Addiction.

Foto: Getty Images