Doadores de sangue passarão por triagem para zika e chikungunya

Por Patricia Machado em 13/09/2016

Uma nova determinação foi anunciada e deverá mudar o protocolo de doação de sangue no Brasil. A partir de agora, os doadores passarão por uma triagem clínica para zika e chikungunya, em que deverão responder se tiveram sintomas ou foram diagnosticados com as doenças.

+ Como e onde doar sangue

+ Vacina contra vício em cocaína é desenvolvida no Brasil

A medida criada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em parceria com o Ministério da Saúde quer evitar que o vírus da zika seja transmitido para as demais pessoas através da transfusão de sangue. No entanto, a determinação não exige que o sangue do doador seja testado para as doenças.

Os órgãos de saúde também disseram em nota oficial que vão orientar os bancos de sangue a informar que os doadores devem entrar em contato com os serviços de hemoterapia caso tenham sintomas das doenças em até 14 dias após a doação.

Doação de sangue após o contato com o vírus da zika

As instituições criaram regras para quem quer doar sangue após o contato com o vírus da zika. As pessoas que foram diagnosticadas com uma das doenças não poderão doar por um período de 30 dias após a recuperação completa.

Já quem teve contato sexual com alguém diagnosticado com zika nos últimos 90 dias deverá esperar 30 dias desde a última relação para poder doar sangue. Outra indicação é que quem visitar ou morar em regiões endêmicas para chikungunya deve esperar 30 dias para doar sangue.

Foto: Thinkstock