Tesouro direto terá aplicativo e horário de resgate ampliado

Por Patricia Machado em 02/12/2016

Para quem deseja realizar um investimento seguro com o seu dinheiro, uma saída é optar pelo Tesouro Direto. Como os títulos públicos são emitidos pelo governo federal, isso significa que o governo será o credor do investidor. Além disso, quando comprados, os títulos possuem um prazo de vencimento, definindo a data máxima em que será possível reaver o montante investido.

+ 4 canais do YouTube para te ajudar a controlar as finanças

+ 6 erros que cometemos na hora de fazer um planejamento financeiro

Para trazer ainda mais adeptos ao programa de investimento, o Tesouro Nacional anunciou melhorias para as pessoas físicas que utilizam o sistema. Em breve, haverá o lançamento de um aplicativo que permitirá a realização de investimentos, resgates das aplicações, agendamentos e consultas de extratos. No entanto, o novo app, que ainda não tem data de lançamento, só estará disponível para o sistema Android.

Além disso, a partir de sábado (3), haverá mudanças no horário de resgate das aplicações. O mesmo poderá ocorrer das 9h30 às 18h nos dias úteis e das 18h às 5h nos finais de semana e feriados. Atualmente, o resgate só estava disponível entre as 18h e 5h dos dias úteis.

Com os novos horários, o investidor poderá resgatar uma aplicação enquanto o mercado estiver aberto. Por isso, as aplicações e resgates serão realizadss com o preço e taxas disponíveis no momento das transações. As antigas regras determinavam que as transações fossem liquidadas com os preços de abertura do dia útil seguinte ao da movimentação financeira.

As novidades também irão proporcionar que o investidor receba avisos por mensagem de texto e e-mails e realize cursos online e gratuitos sobre o mercado financeiro.

De acordo com os dados do Tesouro Nacional, existem 1 milhão de investidores inscritos no programa de investimentos. Mas, apenas 365 mil deles são ativos. A expectativa é que as mudanças no sistema façam com que o número de investidores ativos chegue a 500 mil até 2017.

Foto: Getty Images