Como escapar da maquiagem de preços na Black Friday?

Por Mariana Castro em 10/11/2017

No dia 24 de novembro acontece a Black Friday, evento que oferece promoções e descontos em diversos produtos. A data é tradição nos Estados Unidos, mas tem conquistado os lojistas e consumidores brasileiros há alguns anos. Pesquisas realizadas pelo Google revelaram que a movimentação do e-commerce neste dia é, aproximadamente, quinze vezes maior do que em um dia comum.

+ Cinco dicas para evitar dívidas na Black Friday

Mas, como diz o ditado popular, quando a esmola é demais, o santo desconfia. Junto com a novidade, se tornaram extremamente comuns as fraudes cometidas pelos comércios para lucrar mais. “Quando uma oferta é muito chamativa, é importante verificar a procedência para ver se você não está caindo em uma armadilha”, afirma Bruno Stroebel, supervisor de fiscalização da Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo, o Procon.

Uma das fraudes mais utilizadas é a maquiagem de preços. Nela, o fornecedor anuncia o produto por um preço mais alto e diz que o cobrado na data é uma oferta. “Um exemplo é a promoção de um celular de R$ 4 mil por R$ 3 mil quando, na verdade, ele nunca custou R$ 4 mil”, explica Bruno. É por isso que a principal recomendação para fazer bons negócios na Black Friday é fazer pesquisas de preço antes da data.

“A dica do Procon é que o consumidor tire foto das telas do computador, comprovando o site, data e hora da pesquisa”, orienta o especialista. Assim, será possível usar esse material como prova caso seja necessário denunciar algum problema ou reclamar no Procon. O site da fundação também conta com uma lista de endereços online que não são recomendados, então é uma boa ideia checar a procedência dos locais escolhidos para as compras.

+ Cuidados na hora de comprar produtos em liquidação

+ Dicas para acertar nos presentes de Natal

Para evitar fraudes, também é importante verificar se o site é brasileiro, uma vez que os sites internacionais não são abarcados pelo código do consumidor. “Para os comércios nacionais, os direitos do consumidor são mantidos durante a Black Friday”, esclarece Bruno. “Portanto, você pode devolver o produto dentro de sete dias se desejar, dentre outras políticas de compra”, completa. Apenas fique atento ao prazo de entrega e à política de trocas, caso deseje presentear alguém no Natal, por exemplo.

Algumas vezes, ao finalizar a compra, o preço do produto sobe novamente ou o valor do frete é tão alto que a oferta não vale a pena. Por isso, é importante ficar atento a todos os detalhes nesta data. Caso o consumidor tenha uma experiência ruim, o Procon estará de plantão para acolher a denúncia. Ela pode ser feita através do site, telefone (151), Facebook ou Twitter da fundação, que tem contato com as lojas e pode resolver o problema.

Foto: Getty Images