Cinema documentário estará em foco na mostra ‘Olho de Vidro’

Por Thais Lopes em 28/06/2019

O cinema documentário vai voltar as lentes para si mesmo na mostra ‘Olho de Vidro’, que invade a tela do Cineclube Marieta de 2 a 30 de julho. As exibições são gratuitas e ocorrem sempre às terças, às 19h30, com bate-papo depois da sessão. Com curadoria de Paula Sacchetta, autora do longa documental Precisamos Falar do Assédio (2016), o ciclo é dedicado à discussão da linguagem do documentário.

Documentário - Cineclube Projeto Marieta

Projeto Marieta (foto: site projetomarieta)

O aclamado Nostalgia da Luz (2010), do chileno Patricio Guzmán, abre a mostra no dia 2 de julho mirando câmeras e questionamentos para o céu e a terra. A obra se passa no Deserto do Atacama, o local mais seco do planeta, onde astrônomos de todo o mundo se reúnem para observar as estrelas, ao mesmo tempo em que mulheres procuram seus parentes assassinados pelo regime de Pinochet e escondidos na imensidão de areia do Atacama.

Documentário - Cineclube Projeto Marieta

Nostalgia da Luz (2010) (foto: divulgação/Imprensa Projeto Marieta)

No dia 16 de julho entra em cena The Act of Killing (2012), de Joshua Oppenheimer, O filme conquistou o Prêmio do Cinema Europeu de 2013 como melhor documentário e foi indicado ao Oscar de Melhor Documentário de Longa-Metragem em 2014, entre outros. Na Indonésia, são considerados como heróis os homens que comandaram o genocídio de milhões de pessoas no passado. Sem remorso nenhum sobre suas ações, eles foram convidados a reencenarem seus assassinatos para as câmeras, com os novos habitantes do vilarejo onde moram. O longa provocou debates em relação a seu gênero enquanto documentário. Para o próprio diretor, “o filme transcende o documentário e se torna uma criação híbrida estranha”.

+ Novo restaurante apresenta mosaico cultural de sabores e aromas espanhóis

Documentário - Cineclube Projeto Marieta

The Act of Killing (2012) (foto: divulgação/Imprensa Projeto Marieta)

A relação de amor e ódio entre mãe e filha, presas à imagem de um passado, é explorada em Grey Gardens (1975), dos diretores Albert & David Maysels, que será exibido no dia 23 de julho. O filme é centrado em Edith Bouvier Beale, com quase 80 anos de idade, e sua filha divorciada Little Edie, primas de Jackie Kennedy. Elas costumavam viver no luxo da alta sociedade, mas 24 anos mais tarde, em grande dificuldade financeira, passam os dias isoladas na mansão decadente Grey Gardens, cercadas por lixo, ratos e retratos.

Documentário - Cineclube Projeto Marieta

Grey Gardens (1975) (foto: divulgação/Imprensa Projeto Marieta)

Na terça-feira seguinte, 30 de julho, a mostra ‘Olho de Vidro’ será encerrada com chaves de ouro: as chaves que abrem os apartamentos e as personas do documentário brasileiro Edifício Master (2002), de Eduardo Coutinho, considerado o mais importante documentarista do Brasil. Ali, Coutinho e sua equipe entrevistaram 37 moradores e extraíram histórias íntimas e reveladoras de suas vidas.

Documentário - Cineclube Projeto Marieta

Edifício Master (2002) (foto: divulgação/Imprensa Projeto Marieta)

Curso de documentário com Paula Saccetta

A mostra ‘Olho de Vidro’ acontece em paralelo ao curso homônimo ministrado pela documentarista Paula Sacchetta, também no Marieta, com início no dia 4 de julho e encerramento no dia 25 de julho, todas às quintas-feiras do mês.

As aulas mergulham na história e linguagem do documentário, dos clássicos aos diretores mais contemporâneos. Uma discussão para além da forma, entrando no fazer documental: como se portar eticamente frente a personagens de carne e osso, como fazer entrevistas e como utilizar certos dispositivos?

Paula Sacchetta é especializada em temas ligados a direitos humanos. Além de Precisamos Falar do Assédio, lançado no 49º Festival de Brasília, em 2016, dirigiu Verdade 12.528 (2013). Ganhou o Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos em 2012 e cobriu as primeiras eleições presidenciais egípcias, no Cairo, para a TV Folha. Trabalha atualmente em dois longas documentais: um sobre sexo na terceira idade e outro sobre masculinidades.

O investimento para o curso é de R$ 360,00 (inteira) ou R$ 288,00 (para estudantes, professores da rede pública, idosos, ex-alunos Marieta em 2019). O Marieta reserva 10% das vagas para bolsas integrais dedicadas a pessoas de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade. Para apresentar a candidatura é necessário enviar o currículo e breve carta de intenções por e-mail e as inscrições são feitas através do site.

Veja todas as informações sobre o Projeto Marieta no site Apontador.

Fonte: Imprensa Projeto Marieta