Proteste reprova sete marcas de azeite em teste de qualidade

Por Patricia Machado em 27/03/2017

A Proteste, organização não-governamental que promove avaliação de vários produtos, divulgou o resultado de um novo teste. Desta vez, a instituição analisou 24 marcas de azeite de oliva e sete delas foram reprovadas por fraude. De acordo com a organização, os produtos continham misturas de óleos vegetais e animais, o que não é permitido por lei. Além disso, uma das marcas não é indicada para compra por contradizer a informação que consta no rótulo.

+ Oito restaurantes históricos para conhecer em São Paulo

+ Dez restaurantes de São Paulo que não cobram taxa de rolha

As marcas que foram consideradas adulteradas são Tradição, Figueira de Foz, Torre de Quintela, Pramesa e Lisboa. Outras duas marcas não foram divulgadas porque têm liminares da Justiça que impedem a divulgação dos seus nomes. A Proteste descobriu que essas marcas não produziam azeite utilizando apenas a gordura proveniente da azeitona, o que os classificaria como extravirgens. Já a marca Beirão foi classificada como virgem, contradizendo a informação que constava no rótulo, e, portanto, sua compra não é recomendada.

Foram considerados de excelente qualidade os azeites O-live, Andorinha, Carbonell, Carrefour Portugal, Qualitá, Filippo Berio, Borges, Cardeal, Cocinero, Gallo, La Española, La Violetera, Taeq, Serrata, Renata e Broto Legal Báltico.

Esta é a sexta edição da avaliação, que começou em 2002. No ano passado, vinte marcas foram avaliadas e oito foram reprovadas.

Foto: Getty Images