Embalagens de redes de fast food podem fazer mal à saúde, aponta pesquisa

Por Mariana Castro em 06/02/2017

Muito se fala sobre os males das opções fast food para a saúde. A comida é altamente industrializada e gordurosa, não sendo recomendada regularmente. Agora, mais uma evidência vai fazer você querer passar longe desses alimentos. Um estudo realizado pelo Instituto Silent Spring, nos Estados Unidos, revelou que as embalagens nas quais esses alimentos são armazenados podem conter substâncias prejudiciais à saúde.

+ Sanduíches podem arruinar a dieta, diz estudo

+ Dieta vegana influencia na longevidade, diz estudo

Para a pesquisa, foram analisadas mais de 400 embalagens de papel e cartolina de 27 redes de fast food americanas. O resultado mostrou que os componentes desses materiais entram em contato com o alimento que, quando ingerido, pode danificar o DNA humano e os processos de replicação celular. “A migração dos químicos para a comida depende da temperatura e do tipo de comida, além do tempo de contato do alimento com a embalagem”, explicou a autora do estudo, Laurel Schaider, à CNN.

Como consequência, os consumidores podem apresentar problemas de fertilidade, obesidade, câncer, diabetes, doenças de tireoide e puberdade precoce. As crianças estão ainda mais expostas aos riscos, uma vez que estão formando o seu sistema imunológico e são o principal alvo da indústria fast food. Além disso, as embalagens causam grande impacto ambiental porque são dificilmente decompostas, acabando em aterros sanitários e águas subterrâneas.

+ 5 alimentos que podem arruinar a sua dieta e sabotar a perda de peso

Para identificar esses compostos químicos, os pesquisadores emitiram raios gama. Assim, puderam identificar que quase metade das embalagens de papelão continha flúor e que as utilizadas para sobremesas e pão são as que contêm o maior número de substâncias tóxicas.

Foto: Getty Images