Vantagens de ter uma portaria inteligente

Por Mariana Castro em 06/04/2018

Está cada dia mais comum se deparar com condomínios sem porteiro. Para os visitantes, isso pode causar certo estranhamento, mas após passarem pela experiência, muitos saem do edifício cogitando a possibilidade. A tendência é conhecida como portaria inteligente, ou portaria remota, e traz diversas vantagens aos moradores.

O projeto foi desenvolvido para ser muito semelhante ao modelo de portaria tradicional, mas utiliza inteligência de informação para uma qualidade superior no atendimento de visitantes e de prestadores de serviço. No caso dos moradores, é usada a biometria para auto-identificação. Já os visitantes, ao tocar o interfone, entram em contato com uma central, que é a responsável por falar com o morador para liberar o acesso em vez do porteiro.

+ Como escolher um alarme residencial?

+ Como tornar minha casa mais segura?

Esta é a principal vantagem da portaria remota, uma vez que todos os visitantes são cadastrados e não entram sem a liberação do morador. “Isso é diferente no caso dos porteiros, que acabam utilizando muito o conhecimento visual de quem frequenta o condomínio”, conta Amilton Costa, da empresa Minha Portaria. “Além disso, não adianta fazer pressão do lado de fora ou demandar a entrada, a central só libera com autorização”, continua o especialista.

Outras vantagens

A portaria inteligente consegue registrar com mais precisão o que acontece no prédio, oferecendo maior segurança. Além de um relatório de todos que entram e saem do condomínio, ela disponibiliza áudio e vídeo do que acontece – sendo o áudio disponibilizado por um ano e o vídeo durante cinco dias na nuvem.

Além de maior segurança, a portaria remota oferece uma vantagem financeira muito maior, reduzindo em, aproximadamente, 60 a 70% do custo da portaria. “Isso é mais relevante no caso dos condomínios de menor expressão, com até 100 a 120 condôminos”, revela Amilton. “Em condomínios com mais apartamentos, há redução no custo da portaria, mas a diferença é pouco expressiva para o bolso do condômino”, explica ele.

A portaria remota utiliza inteligência de informação para uma qualidade superior no atendimento de visitantes e de prestadores de serviço

A tecnologia do sistema também permite algumas facilidades, como o envio de mensagens para os moradores, com comunicados como falta de energia e outras ocorrências no prédio. “Um diferencial é que, pelo celular, o morador consegue autorizar visitantes, mandar lista de festas e até convite para visitas, que já passam pelo portão identificadas”, conta o especialista. “São mecanismos para facilitar a vida do morador”, continua.

Cuidados com o sistema

O maior risco de ter uma portaria remota é contratar empresas que não oferecem suporte, manutenção e uma boa resposta. “Se o portão quebrar, por exemplo, é preciso consertá-lo no mesmo dia. Uma empresa que não oferece esse serviço criará um problema para o morador”, alerta Amilton. Ao optar por uma portaria remota, é preciso entender bem o que será oferecido e o que é responsabilidade da empresa. “Às vezes, os condôminos acreditam que economizarão no valor mensal, mas acabam tendo que arcar com os custos da manutenção”, enfatiza ele.

Com exceção disso, é preciso ficar atento à necessidade de um pessoa para funções como recebimento e entrega. Nesse contexto, o zelador se torna fundamental como apoio em horário comercial, utilizando um rádio que está em contato com os moradores e com a central. “Regras pré-estabelecidas sobre horário de mudança ou de recebimento, por exemplo, precisam ser seguidas à risca”, lembra Amilton.

+ Como comprar um imóvel no exterior?

Por fim, é preciso garantir nobreaks, que são baterias auxiliares no caso de queda de energia. Eles seguram até quatro horas sem eletricidade, sendo mandado alguém para desempenhar a função de porteiro caso o problema não seja resolvido nesse período. Para evitar problemas com a internet, há sempre dois links – um de rádio e um de cabo tradicional.

Fotos: Getty Images