Como tornar minha casa mais segura?

Por Mariana Castro em 30/01/2018

 

Um dos pré-requisitos mais importantes ao pensar no conceito de moradia é a garantia de segurança. Afinal, todos querem deitar a cabeça no travesseiro à noite sabendo que estão a salvo em seus próprios lares. Nos tempos atuais, é preciso alguns cuidados para assegurar isso. Mas, diversos dispositivos, técnicas e hábitos podem ajudar a tornar sua casa mais segura.

“De maneira geral, câmeras de segurança, proteção perimetral, alarmes de presença, iluminação com sensor e monitoramento remoto são os dispositivos mais recomendados para a segurança da casa”, revela João Jaouiche, do Núcleo Consultoria em Segurança. Uma boa alternativa é adotar fechaduras eletrônicas com senhas individuais, a fim de não distribuir chaves para todos os usuários da casa.

+ Casa ou apartamento? As vantagens e desvantagens

+ Como comprar um imóvel no exterior?

“Sem dúvidas, a iluminação é outro fator preponderante na segurança, sendo importante deixar a casa iluminada de forma controlada”, continua ele. Já existem sistemas de automação residencial simples e acessíveis, que permitem que as luzes sejam acesas e apagadas mesmo que o morador não esteja em casa. O uso de cercas elétricas é recomendado, desde que adequadamente dimensionadas e testadas periodicamente.

Outros cuidados importantes são a limpeza e manutenção dos jardins, para não interceder no funcionamento de uma cerca, por exemplo, além de placas de advertência, como as que indicam que a casa é monitorada por uma empresa de segurança. “É importante permitir uma vigilância natural, isto é, que seja possível ver o que se passa após o muro e, caso não seja possível, que haja câmeras com monitoramento vinculadas aos sensores de alarmes”, recomenda João.

+ Vale a pena ter um carro blindado?

Mais importante do que os recursos materiais é o comportamento dos moradores e, consequentemente, de seus empregados. “É preciso uma conscientização em relação a como entram ou saem de casa, o que comentam ou como administram os prestadores de serviço, por exemplo”, acredita o especialista em segurança. “Cuidado não é paranóia, é um hábito a ser adotado a fim de não dar oportunidade para o azar”, conclui.

Foto: Getty Images