Como escolher uma câmera de segurança?

Por Mariana Castro em 03/05/2018

Hoje em dia, a maioria dos imóveis conta com uma câmera de segurança para garantir o bem-estar de quem os frequenta. Seja um prédio comercial, residencial ou uma casa, as câmeras são um grande auxílio na sensação de proteção. Principalmente com o avanço das tecnologias, são inúmeras as opções de câmera de segurança, que atendem a diferentes necessidades.

Para escolher dentre os diferentes dispositivos, o principal aspecto a se considerar é a qualidade do equipamento. “Quando é para uma área externa, por exemplo, a câmera fica exposta a intempéries, sendo preciso um equipamento de qualidade para resistir ao ambiente”, explica Gláucio Silva, gerente nacional de vendas da Axis Communications. O equipamento precisa ter o mesmo bom funcionamento no sol, na chuva ou em um dia nublado, por exemplo.

+ Como escolher uma empresa de segurança eletrônica?

“Normalmente, uma câmera não está em um local de fácil acesso, o que dificulta sua manutenção. É preciso que ela funcione bem, para evitar gastos com mão de obra, serviço e manutenção”, alerta Gláucio. Nesses casos, é recomendado uma lente varifocal, que ajusta o foco de acordo com a distância, e algum recurso de movimentação que possibilite posicionar a lente para a área de interesse. É por isso que, na hora de escolher uma câmera de segurança, é preciso considerar diferentes aspectos e combiná-los com o resultado esperado.

Local de instalação

Monitoramentos internos e externos têm necessidades completamente diferentes. Câmeras mais básicas, com lentes fixas e resolução de um megapixel, já são o suficiente para uma casa ou escritório, por exemplo. “Nesses casos, a câmera dome fixa desempenha um bom trabalho. Ela é discreta e fica presa ao teto, sendo uma boa opção para tetos mais baixos porque o dome que a cerca protege de um possível vandalismo”, indica o especialista.

Em entradas de garagem, como de um condomínio, é importante que a câmera tenha uma boa resolução a fim de identificar a placa de um veículo, quantidade de pessoas em um carro e rostos, caso venha a ser necessário. Já no caso de monitoramento perimetral, a intenção é controlar mais a movimentação que ocorre próximo ao perímetro.

Hoje em dia, principalmente com o avanço das tecnologias, são inúmeras as opções de câmera de segurança, que atendem a diferentes necessidades

Nesses casos, o nível de detalhamento costuma ser menor e a câmera box é mais utilizada. “A câmera fica dentro de uma caixa de proteção contra vandalismo, chuva ou poeira, por exemplo”, conta Gláucio. “Ela desempenha um monitoramento fixo, ou seja, aponta para uma única direção e captura a imagem conforme a abertura de sua lente”, completa.

Para monitoramentos urbanos ou de grandes áreas, como rodovias e aeroportos, é recomendada uma câmera com resolução 4K. “Para essas situações, é recomendada a câmera ptz, que significa pan tilt zoom, traduzido para panorâmica, móvel e que dá zoom”, explica o especialista. “São as câmeras controladas por um monitor, que movimenta o equipamento em diferentes direções”, continua.

Iluminação

Câmeras com imagens coloridas são sempre mais indicadas, afinal, é mais fácil detectar que uma pessoa com roupa vermelha passou por ali, do que uma de preto. Mas, um grande desafio na hora de escolher uma câmera de segurança é garantir que as imagens ficarão visíveis também no período noturno.

+ Vantagens de ter uma portaria eletrônica

+ Como escolher um alarme residencial?

“O ideal é trabalhar com câmeras que tenham recursos para monitoramento noturno, como as câmeras daynight, infravermelhas ou térmicas”, indica Gláucio. “Essa última é utilizada com autorização do exército e identifica, através do calor, imagens não alcançáveis pelo olho humano”, revela ele.

Há também a opção da câmera bullet, também conhecida como canhão. Sua principal característica é capturar imagens com boa resolução no período noturno, através do uso de uma lente infravermelha.

Armazenamento

Atualmente, são raros os projetos em que a câmera armazena as imagens diretamente nela. Hoje em dia, elas são ligadas a um sistema de gravação que armazena as imagens em um HD com determinada capacidade, por um determinado período de tempo.

“Com o aumento do uso de câmeras digitais, cresce também a necessidade de armazenar essas imagens em disco”, conta o especialista. Por isso, é preciso adquirir câmeras com boa compressão de imagem, que transformam as imagens em arquivos menores, sem afetar a qualidade. Isso é importante para evitar grandes gastos com servidores, permitindo um maior serviço de armazenamento.

Foto: Getty Images