Como escolher texturas para as paredes?

Por Mariana Castro em 29/09/2017

Não se pode negar a importância das paredes na decoração de uma casa. Uma cor, um quadro ou um espelho podem transformar completamente o ambiente. Hoje em dia, principalmente, o leque de opções está ainda maior. Existem diversas tintas, tecidos e materiais especiais para transformar a sua parede em uma parte ainda mais fundamental da decoração.

+ Dicas para utilizar e colocar o papel de parede?

+ Dicas para remover o mofo e bolor das paredes

Já é ultrapassada a ideia de que paredes com textura devem ser usadas apenas na parte externa da casa, em jardins ou garagens. Cada vez mais, as pessoas têm utilizado esses artifícios em ambientes internos, desde banheiros até a sala. Algumas das tendências da atualidade são o revestimento em MDS, lâmina natural de madeira e bambu, por conta da sua característica sustentável. “Não estamos falando do bambu com cara de bambu, mas de um material que possibilita a criação de diversos painéis diferentes, inclusive imitando um revestimento em MDF”, explica Christiane Ruffo, designer de interiores.

As opções estão cada vez mais amplas, com tecidos e até porcelanatos imitando outros materiais. “É possível imitar camurça, cimento, couro, mármore e até concreto, o que democratizou as possibilidades de efeitos no interior das casas”, acredita a designer. “Muitos pensam que o porcelanato, por exemplo, só pode ser utilizado como piso, mas ele dá abertura para ousar além das texturas óbvias”, completa.

Como escolher a textura ideal para as paredes?

A textura pode ser mais um elemento do conjunto arquitetônico ou pode ser o elemento focal daquele ambiente. Para determinar isso, é importante pensar no projeto como um todo. “Não adianta escolher todos os elementos que você gosta e reuni-los em um só lugar porque o conjunto pode ficar desarmônico”, afirma Christiane. Para evitar isso, é preciso reunir tanto a textura que será utilizada na parede quanto os tecidos da almofada e sofá e todas as informações possíveis sobre aquele projeto, a fim de visualizar se o conjunto está em harmonia.

Além disso, é importante pensar na funcionalidade dessa escolha. “Ao colocar textura em um lavabo, por exemplo, podemos pensar em um papel de parede, uma vez que não há chuveiro e a umidade não comprometerá o material”, orienta a especialista. Se for um banheiro comum, entretanto, os materiais mais indicados são pastilhas e mármore, por exemplo.

Atualmente, existem diversas tintas, tecidos e materiais especiais para transformar a parede em uma parte fundamental da decoração

No caso de ambientes externos, é preciso pensar nas condições climáticas e descobrir como elas afetam o material escolhido. O papel de parede e a madeira MDF, por exemplo, não resistem à chuva. Portanto, é mais recomendado utilizar mármore, granito, revestimento cimenticio ou porcelanato, além de texturas de parede e pintura, todos assentados com argamassa própria para áreas externas.

Se o cômodo for pequeno, o uso de muita textura pode sobrecarregá-lo. Por isso, é preciso levar em conta o espaço disponível na hora de optar pelas texturas.  Também é importante que o revestimento não canse a vista, caso seja um cômodo em que os moradores passam muito tempo. “É mais indicado ousar em um lavabo, por exemplo, do que na sala de televisão”, explica Christiane. Uma boa dica para os quartos é investir em texturas na parede em que a cabeceira da cama fica encostada. “Assim, o quarto fica decorado, mas sem enjoar, uma vez que você passa parte do tempo de costas para essa parede”, aconselha a designer.

Fotos: Getty Images