Zika vírus pode ser transmitido da mulher para o homem através do sexo, segundo autoridades internacionais

Por Mariana Castro em 19/07/2016

Autoridades norte-americanas noticiaram na última sexta-feira, 15, o primeiro caso de zika transmitido de uma mulher para um homem através do sexo. A transmissão sexual da doença já havia sido comprovada, mas somente em casos em que o homem havia passado para a mulher. Isso amplia os riscos de contágio sexual, segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), em Atlanta, nos Estados Unidos.

+ Alimentação afeta o odor da vagina, diz sexóloga

+ Número de adultos que já teve relação sexual com o mesmo sexo dobrou dos anos 90 até hoje

O caso aconteceu em Nova York. Uma mulher de 20 anos, que havia acabado de voltar de um país com forte presença do zika vírus, começou a apresentar os sintomas da doença. Ela relatou ter tido relações sexuais sem preservativo com seu parceiro, que, dias depois, passou a apresentar os mesmos sintomas. Ambos foram diagnosticados com o vírus da zika.

Um caso como esse seria mais difícil de identificar em uma área de risco, como é o caso do Brasil, uma vez que ambos poderiam ter sido picados pelo mosquito. Mas, seguindo o raciocínio e as observações dos médicos responsáveis pelo atendimento do rapaz norte-americano, a mulher foi a sua única chance de contaminação.

O CDC está atualizando suas recomendações para prevenir a doença, uma vez que elas eram baseadas na premissa de que a transmissão sexual se dava do homem para a mulher. Com esse novo caso, ficam constatadas novas cadeias de transmissão do vírus. Ainda é necessário um estudo mais aprofundado para analisar a possibilidade de contágio de uma mulher para outra do mesmo sexo, em casos de relações homossexuais.

Foto: Thinkstock