Ter uma vida sexual ativa ajuda a manter a forma, diz estudo

Por Mariana Castro em 14/07/2016

Não é só de salada que se cultiva um corpo em forma. Um estudo recente revelou que fazer sexo regularmente pode ajudar a emagrecer. Além de queimar 100 calorias por hora, essa prazerosa atividade desencadeia a liberação da ocitocina, um hormônio que pode barrar exageros alimentares.

+ Estudo revela quantas vezes o brasileiro faz sexo por semana

+ Alimentação afeta o odor da vagina, diz sexóloga

Também conhecida como o hormônio do amor, a ocitocina é liberada após o sexo para induzir sentimentos de confiança e afeto, criando uma ligação entre o casal. Segundo o grupo de pesquisadores da York University, no Canadá, pessoas que produzem pouco hormônio têm uma tendência maior para cometer os terríveis ataques à geladeira.

O estudo conduzido pelos cientistas canadenses tinha o objetivo de provar que a impulso de exagerar na comida pode ser causado pela maneira com que o gene da ocitocina se expressa no DNA. A pesquisa foi realizada com pessoas entre 27 e 50 anos com diferentes padrões de peso e corpo. Através de amostras de sangue coletadas dos voluntários foi possível identificar sete pontos no DNA que provam que o gene que recebe a ocitocina varia para cada indivíduo.

Os participantes também responderam questionários a respeito de seus hábitos alimentares, preferências e sobre como seus cérebros respondem a recompensas ou punições. Os resultados mostraram uma ligação entre o gene receptor do hormônio e os fatores psicológicos relacionados à compulsão alimentar.

“A ocitocina melhora comportamentos sociais e diminui o apetite – especialmente para carboidratos doces”, concluiu Caroline Davis, líder da pesquisa, em entrevista ao Daily Mail. Por isso, se você quer manter a forma, mas odeia dietas, a dica é incluir o sexo na sua rotina. 😉

Foto: Thinkstock