Há uma explicação neurológica para a ligação entre o sexo e o comportamento agressivo

Por Pedro Katchborian em 10/05/2016

Da perspectiva neurológica, sexo e violência estão mais próximos do que pensávamos. David Anderson, um neurobiologista do California Institute of Technology, publicou vários artigos dizendo que gatilhos para sexo e o comportamento agressivo vêm dos mesmos grupos de neurônios, de acordo com testes feitos em moscas e ratos.

+ Cientistas apontam a posição sexual mais perigosa 

Ele fez a descoberta analisando geneticamente cada neurônio. Com esse nível de precisão, ele conseguia desligar e ligar cada neurônio.

A relação próxima entre sexo e violência não é uma surpresa, ele diz. “Os dois envolvem uma aproximação inicial e uma investigação, muitas sensações e em algumas espécies você pode ver que o comportamento sexual pode vir acompanhado de mordidas, por exemplo”.

Mas o que pode ter tornado os dois tão próximos? Anderson acredita que o comportamento sexual pode ter levado a tendências agressivas. Essa agressividade poderia permitir aos animais competir sexualmente. “Neurônios que controlam o comportamento sexual evoluíram e se desenvolveram mais do que os neurônios que controlar o comportamento agressivo”, conclui.

Apesar de Anderson não ter estudado diretamente os cérebros humanos, ele diz que essa pesquisa pode ajudar a entender nossas mentes. “Em um nível abstrato, há uma organização funcional de circuitos e como eles processam informações que são análogos entre a mosca, ratos, e cérebros humanos”, diz. Entender a questão pode ser importante para compreender os motivos da adoração ao sadomasoquismo, por exemplo.