É comum ter fantasias sexuais estranhas, revela pesquisa

Por Patricia Machado em 28/04/2016

Falar sobre sexo ainda é considerado um tabu para muitas pessoas. Por isso, compartilhar fantasias e desejos sexuais pode ser ainda mais complicado. Para tentar acabar com esse preconceito, uma pesquisa divulgada no The Journal of Sex Research tentou compreender como 1.400 canadenses se comportavam quando o assunto era fantasias e fetiches sexuais.

+ Ciência descobra a hora perfeita para fazer sexo 

+ Sonhos envolvendo sexo: o que eles significam

Os pesquisadores utilizaram um guia chamado Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-5) para determinar quais fantasias seriam consideradas normais e anormais, de acordo com médicos e especialistas do setor. Depois, eles pediram para que os voluntários opinassem sobre cada prática.

Após a análise dos resultados, os cientistas descobriram que quatro dos oito fetiches considerados anormais eram, na verdade, descritos como normais e, inclusive, objetos de desejo pelos entrevistados.

De acordo com a pesquisa, as pessoas mostraram interesse ou até já praticaram o voyeurismo (35%), fetichismo (26%), frotteurismo (26%) e masoquismo (19%).

Se você não está familiarizado com os termos, segue uma breve descrição sobre cada um deles:

Voyeurismo: Excitação sexual apenas pela observação de cópula [sexo] praticada por outros ou pela observação dos órgãos genitais de outrem.

Fetichismo: É o desvio do interesse sexual para algumas partes do corpo do parceiro, para alguma função fisiológica, para cenários ou locais inusitados, para fantasias de simulação (empregada doméstica, mecânico, secretária) ou para peças de vestuário, adorno e etc.

Frotteurismo: É a excitação sexual resultante da fricção dos órgãos genitais no corpo de uma pessoa completamente vestida (popularmente conhecido como encoxar ou sarrar em algumas regiões do Brasil), no meio de outras pessoas, como nos trens, ônibus e elevadores.

Masoquismo: Perversão sexual, em que o indivíduo anormal só satisfaz o desejo erótico quando sofre violências físicas. Há casos de satisfação também nos sofrimentos psíquicos.