Saúde e Bem-Estar

Universidade estuda efeitos da redução no consumo de refrigerante para a saúde

Universidade estuda efeitos da redução no consumo de refrigerante para a saúde

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um comunicando pedindo a países de todo o mundo que aumentem os impostos cobrados em cima de refrigerantes. De acordo com a instituição, um acréscimo de 20% no valor da bebida seria o suficiente para reduzir o seu consumo.

+ Reino Unido cria imposto sobre refrigerantes para combater a obesidade infantil

+ O que aconteceria com o nosso corpo e cérebro se bebêssemos apenas refrigerante?

De olho nos malefícios das bebidas adoçadas artificialmente, há um ano a Universidade da Califórnia em São Francisco proibiu a venda de refrigerantes em todo o campus. Desde então, tanto as lanchonetes dentro da faculdade quanto as máquinas de bebidas espalhadas pelo local deixaram de vender Coca-Cola, Sprite, entre outras bebidas adoçadas artificialmente. “Como a gente pode vender um produto que nossos próprios médicos dizem que pode causar problemas metabólicos?”, reflete Laura Schmidt, professora da escola de medicina que liderou o projeto.

Vending machines in Japan

No lugar dos refrigerantes normais, as máquinas e lanchonetes vendem agora versões dietéticas, águas e sucos não adoçados artificialmente. Foto: iStock

Acredita-se que a universidade seja um dos maiores empregadores dos Estados Unidos a adotar a medida. Agora, ela quer estudar os reflexos no corpo e na saúde de quem cortou o açúcar drasticamente da dieta. Pesquisadores estão analisando 214 funcionários da instituição para acompanhar mudanças metabólicas importantes após a mudança de hábito.

O estudo ainda está sendo finalizado, mas as prévias são otimistas. Desde que a universidade proibiu a venda de refrigerantes, uma pesquisa feita com mais de 2.500 funcionários acusou que o consumo da bebida tinha sido reduzido por eles mesmo fora da universidade. Seis meses após a adoção da medida, eles reduziram o consumo de refrigerantes em ¼. No lugar, passaram a consumir mais água e sucos.

Fonte: The New York Times

Mais em Saúde e Bem-Estar

Salt spilling on table from salt cellar

Excesso de sal na comida pode aumentar a sensação de fome, revela pesquisa

Mariana Castro27/04/2017
Iced cola

Refrigerante diet aumenta os riscos de AVC e demência, diz estudo

Mariana Castro25/04/2017
teenager lay on the floor in the room

Uso diário de dispositivos móveis pode prejudicar o sono das crianças, diz estudo

Mariana Castro24/04/2017
Fat on stomach

Mais da metade dos brasileiros está acima do peso, revela pesquisa

Mariana Castro24/04/2017
Friends in the cafe

Álcool compromete o cérebro mesmo sem causar embriaguez, diz pesquisa

Mariana Castro20/04/2017
Girl looking in the mirror

Cinco sinais de que sua pele está envelhecendo rápido

Patricia Machado19/04/2017
Businessman sleeping on the couch

Sonecas deixam as pessoas mais felizes, garante pesquisa

Mariana Castro18/04/2017
Pampering cream

Quatro hábitos que podem prejudicar a pele no inverno

Patricia Machado18/04/2017
Teen woman with headache holding her hand to head

Enxaqueca influencia no desenvolvimento de transtorno de ansiedade, conclui pesquisa

Mariana Castro17/04/2017
Woman doing yoga exercise

Meditar regularmente pode ajudar a reduzir o estresse, diz estudo

Mariana Castro17/04/2017
Portrait of a beautiful little girl with strawberry

Consumir frutas pode reduzir o risco de diabetes, aponta pesquisa

Mariana Castro17/04/2017
Sad little girl

Problema auditivo pode prejudicar o aprendizado das crianças na escola

Mariana Castro11/04/2017
mother teaching daughter to cut vegetables

Mitos e verdades da dieta vegana

Mariana Castro10/04/2017
assadura em bebes - istock

Dicas para tratar assaduras em bebês

Mariana Castro10/04/2017
Mother and daughter

Filhos de mães mais velhas têm menos problemas comportamentais, diz estudo

Mariana Castro07/04/2017