Saúde e Bem-Estar

Universidade estuda efeitos da redução no consumo de refrigerante para a saúde

Universidade estuda efeitos da redução no consumo de refrigerante para a saúde

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um comunicando pedindo a países de todo o mundo que aumentem os impostos cobrados em cima de refrigerantes. De acordo com a instituição, um acréscimo de 20% no valor da bebida seria o suficiente para reduzir o seu consumo.

+ Reino Unido cria imposto sobre refrigerantes para combater a obesidade infantil

+ O que aconteceria com o nosso corpo e cérebro se bebêssemos apenas refrigerante?

De olho nos malefícios das bebidas adoçadas artificialmente, há um ano a Universidade da Califórnia em São Francisco proibiu a venda de refrigerantes em todo o campus. Desde então, tanto as lanchonetes dentro da faculdade quanto as máquinas de bebidas espalhadas pelo local deixaram de vender Coca-Cola, Sprite, entre outras bebidas adoçadas artificialmente. “Como a gente pode vender um produto que nossos próprios médicos dizem que pode causar problemas metabólicos?”, reflete Laura Schmidt, professora da escola de medicina que liderou o projeto.

Vending machines in Japan

No lugar dos refrigerantes normais, as máquinas e lanchonetes vendem agora versões dietéticas, águas e sucos não adoçados artificialmente. Foto: iStock

Acredita-se que a universidade seja um dos maiores empregadores dos Estados Unidos a adotar a medida. Agora, ela quer estudar os reflexos no corpo e na saúde de quem cortou o açúcar drasticamente da dieta. Pesquisadores estão analisando 214 funcionários da instituição para acompanhar mudanças metabólicas importantes após a mudança de hábito.

O estudo ainda está sendo finalizado, mas as prévias são otimistas. Desde que a universidade proibiu a venda de refrigerantes, uma pesquisa feita com mais de 2.500 funcionários acusou que o consumo da bebida tinha sido reduzido por eles mesmo fora da universidade. Seis meses após a adoção da medida, eles reduziram o consumo de refrigerantes em ¼. No lugar, passaram a consumir mais água e sucos.

Fonte: The New York Times

Mais em Saúde e Bem-Estar

Little boy, sneezing and blowing his nose outdoor

Como proteger as crianças de doenças respiratórias no inverno?

Patricia Machado20/07/2017
Women Friends Enjoyment Coffee Times Concept

Como a cafeína afeta o corpo humano?

Patricia Machado19/07/2017
Woman in a winter mountain putting sunsceen on her face.

É importante utilizar filtro solar no inverno?

Patricia Machado17/07/2017
Group of happy friends toasting cup of coffee

Consumo de café pode aumentar a expectativa de vida, apontam pesquisas

Patricia Machado13/07/2017
Beautiful smiling cute baby

Como cuidar e higienizar os dentes de leite?

Patricia Machado10/07/2017
Woman cleaning face in bathroom

Cuidados essenciais com a pele do rosto durante a noite

Redação Apontador07/07/2017
fridge with food

Cinco alimentos que ajudam a combater a ansiedade

Patricia Machado06/07/2017
Woman hands in gloves holding a mug

Dicas para ter uma alimentação saudável no inverno

Patricia Machado05/07/2017
Homemade chocolate

Chocolate faz bem para o cérebro e melhora a qualidade do sono, diz pesquisa

Patricia Machado04/07/2017
Sneezing woman

Como fortalecer a sua imunidade no inverno?

Mariana Castro30/06/2017
Senior black couple dancing in their back garden

Casamento contribui para a saúde e longevidade do casal, conclui estudo

Mariana Castro21/06/2017
Vegetable salad

Dieta vegetariana ajuda na perda de peso, conclui pesquisa

Patricia Machado19/06/2017
Depressed young crying woman - victim

Síndrome do Pânico: entenda o transtorno que pode ameaçar a convivência social

Mariana Castro13/06/2017
Young female tech or scientist performs protein assay

Medicamento modificado em laboratório combate bactérias resistentes a antibióticos

Mariana Castro08/06/2017
Quarrels upset child

Divórcio conflituoso dos pais prejudica a saúde dos filhos até a idade adulta, diz estudo

Mariana Castro07/06/2017