Saúde e Bem-Estar

Universidade estuda efeitos da redução no consumo de refrigerante para a saúde

Universidade estuda efeitos da redução no consumo de refrigerante para a saúde

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um comunicando pedindo a países de todo o mundo que aumentem os impostos cobrados em cima de refrigerantes. De acordo com a instituição, um acréscimo de 20% no valor da bebida seria o suficiente para reduzir o seu consumo.

+ Reino Unido cria imposto sobre refrigerantes para combater a obesidade infantil

+ O que aconteceria com o nosso corpo e cérebro se bebêssemos apenas refrigerante?

De olho nos malefícios das bebidas adoçadas artificialmente, há um ano a Universidade da Califórnia em São Francisco proibiu a venda de refrigerantes em todo o campus. Desde então, tanto as lanchonetes dentro da faculdade quanto as máquinas de bebidas espalhadas pelo local deixaram de vender Coca-Cola, Sprite, entre outras bebidas adoçadas artificialmente. “Como a gente pode vender um produto que nossos próprios médicos dizem que pode causar problemas metabólicos?”, reflete Laura Schmidt, professora da escola de medicina que liderou o projeto.

Vending machines in Japan

No lugar dos refrigerantes normais, as máquinas e lanchonetes vendem agora versões dietéticas, águas e sucos não adoçados artificialmente. Foto: iStock

Acredita-se que a universidade seja um dos maiores empregadores dos Estados Unidos a adotar a medida. Agora, ela quer estudar os reflexos no corpo e na saúde de quem cortou o açúcar drasticamente da dieta. Pesquisadores estão analisando 214 funcionários da instituição para acompanhar mudanças metabólicas importantes após a mudança de hábito.

O estudo ainda está sendo finalizado, mas as prévias são otimistas. Desde que a universidade proibiu a venda de refrigerantes, uma pesquisa feita com mais de 2.500 funcionários acusou que o consumo da bebida tinha sido reduzido por eles mesmo fora da universidade. Seis meses após a adoção da medida, eles reduziram o consumo de refrigerantes em ¼. No lugar, passaram a consumir mais água e sucos.

Fonte: The New York Times

Mais em Saúde e Bem-Estar

Top view of a serene mature woman in bathtub

Banhos quentes podem prevenir diabetes tipo 2, diz pesquisa

Mariana Castro27/03/2017
various types of cheese

Consumo de queijo não aumenta colesterol ruim, afirma pesquisa

Mariana Castro26/03/2017
Pregnant woman touching her naked abdomen

Fases da lua e dia da relação sexual podem influenciar na gestação

Mariana Castro26/03/2017
Father and son together

Ter filhos aumenta a expectativa de vida, diz estudo

Mariana Castro25/03/2017
Child's Hands Under Water Tap

Artistas ficam sem água por um dia para campanha de conscientização

Patricia Machado24/03/2017
Ball of pizza dough on a rustic wooden background

Baixo consumo de glúten pode levar à diabetes, aponta estudo

Mariana Castro24/03/2017
Captura de Tela 2017-03-21 às 15.55.05

Spa oferece serviço para bebês e faz sucesso na Austrália

Mariana Castro23/03/2017
Beautiful Norwegian landscape in the mountains

ONU divulga ranking com os países mais felizes do mundo

Mariana Castro22/03/2017
Drinking beer at bar

Pesquisa mostra que homens precisam consumir bebidas alcoólicas para socializar

Mariana Castro21/03/2017
Everything will be ok, I promise

Produtos infantis causam um acidente em bebês a cada 8 minutos

Mariana Castro21/03/2017
Happy Coffee Cup

Cafeína estimula enzima que pode prevenir demência, diz pesquisa

Mariana Castro20/03/2017
fat boy overweight. Tight shirt.

Cinco mitos sobre a obesidade infantil

Redação Apontador17/03/2017
Picture of pregnant woman holding heart sign to one side

Como funciona o processo de congelamento de óvulos?

Redação Apontador17/03/2017
Head full of thoughts when she is around

Praticar exercícios intensos pode afetar a libido dos homens, diz pesquisa

Mariana Castro16/03/2017
4 friends with drinks, sharing a pizza

Comer fora de casa aumenta as chances de sair da dieta, aponta estudo

Mariana Castro16/03/2017