Síndrome do Intestino Irritável é fruto de estresse e má alimentação

Por Mariana Castro em 06/02/2017

Um estilo de vida estressante e com poucas atividades físicas e horas de lazer, além de uma má alimentação, são a combinação perfeita para o surgimento de várias doenças. É esse o caso da Síndrome do Intestino Irritável (SII), condição que atinge um em cada cinco brasileiros.

Seus sintomas são diarreia ou prisão de ventre, gases, cólicas abdominais, urgência em defecar e mudanças no funcionamento intestinal. “A SII não é um problema inflamatório, mas um conjunto de sintomas intestinais de ordem funcional”, explica o médico homeopata Silvio Laganá de Andrade, da Clínica Aspin.

+ Consumir carne vermelha em excesso pode causar doença intestinal, diz estudo

+ Mitos e verdades sobre a endoscopia

Mais comum em jovens mulheres, os desconfortos causados pela síndrome devem ser tratados a vida inteira. “Durante uma crise, probióticos podem gerar bons resultados e o tratamento homeopático também é muito eficaz”, conta o especialista. A homeopatia é referência para o tratamento da SII pois não cuida de um sintoma isoladamente, mas reequilibra o paciente como um todo.

Muitas vezes, o diagnóstico é feito com base na exclusão de outras doenças intestinais, como inflamações e parasitoses. É importante uma avaliação clínica do paciente para que ele não conviva por muito tempo com a síndrome. A longo prazo, outros sintomas podem se manifestar. Segundo Sílvio, alguns exemplos são:

  • Falta de energia permanente
  • Dor na lombar
  • Sentir-se doente
  • Dor no ato sexual, no caso das mulheres
  • Distúrbios na bexiga, como vontades urgentes de urinar, dificuldade em esvaziar totalmente a bexiga e necessidade de acordar a noite para urinar
  • Perda de peso
  • Pode levar à depressão e ansiedade

Como prevenir a doença?

Alguns hábitos podem diminuir as chances de desenvolver a síndrome, como mudanças no estilo de vida e a exclusão de intolerâncias alimentares. Confira outras recomendações importantes que foram dadas pelo especialista:

  • Não comer enquanto está trabalhando ou dirigindo
  • Não comer rápido
  • Não consumir goma de mascar
  • Praticar atividade física por, no mínimo, 30 minutos, 5 vezes por semana
  • Fugir de focos de estresse, como discutir política, futebol, religião, entre outros temas que geram brigas e desentendimentos
  • Evitar o uso de medicamentos sem prescrição médica, como anti-inflamatórios, por exemplo
  • Evitar alimentos que aumentam as chances de desenvolver SII, como açúcar, café, refrigerante, chocolate, alimentos refinados, glúten, lactose (principalmente queijos), alimentos processados, carnes embutidas, chá preto, mate e frituras

Procurando um médico ou uma clínica? Clique aqui e encontre o endereço mais próximo de você no Apontador.

Foto: Getty Images