Problemas respiratórios aumentam as chances de infarto, diz pesquisa

Por Mariana Castro em 22/05/2017

Se você tem constantes problemas no trato respiratório, vai querer se cuidar ao máximo a partir de agora. Novas descobertas revelaram que infecções respiratórias, como pneumonia, bronquite e até mesmo a gripe podem aumentar consideravelmente os riscos de ataque cardíaco.

+ Tomar anti-inflamatórios aumenta o risco de infarto, diz pesquisa

+ Consumo de bacon pode causar problemas respiratórios, diz estudo

Para o estudo, os pesquisadores da Universidade de Sydney, na Austrália, recrutaram 578 pessoas que já haviam sido hospitalizadas por causa de um infarto. Eles analisaram a aparição de sintomas relacionados a problemas respiratórios, como dor de garganta, tosse, febre e dor nos sinos, antes do problema cardíaco. Além disso, foram analisados pacientes com gripe, faringite, rinite e sinusite.

Os resultados mostraram que 17% dos participantes que sofreram um ataque cardíaco haviam tido sintomas de infecção respiratória em um período de sete dias antes do ocorrido. Além disso, 21% deles descreveram os sintomas por volta de um mês antes. Com isso, os cientistas concluíram que o risco de infarto é dezessete vezes maior em casos de infecção respiratória, além de 13,5 vezes maior em infecções menores que afetem o nariz e a garganta, como a gripe.

+ Ioga ajuda no tratamento de pessoas com asma, descobre pesquisa

A hipótese levantada pelos cientistas é de que isso ocorre por causa do aumento da coagulação sanguínea, inflamação, alterações no fluxo sanguíneo e presença de toxinas que danificam os vasos ocasionados por infecções respiratórias. No entanto, a probabilidade de infarto não é necessariamente maior no início dos sintomas da infecção respiratória. Ela atinge picos nos primeiros sete dias e vai reduzindo, gradualmente, ao longo de um mês.

Foto: Getty Images