Prestar atenção no som da mastigação pode ajudar a comer menos

Por em 02/05/2016

Sabe aquele péssimo costume de fazer as refeições enquanto assistimos televisão? Então, saiba que ele pode ser um dos maiores responsáveis por você comer mais do que deveria.

Uma pesquisa recente sugere que prestar atenção no som da mastigação pode ajudar a comer menos. Cientistas da Universidade Brigham Young e da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, fizeram um estudo para analisar esse efeito. Eles concluíram que quanto mais focamos nos barulhos que fazemos ao mastigar, menos comemos.

+ 5 alimentos que podem arruinar a sua dieta e sabotar a perda de peso

O ato de devorar um pacote de salgadinho enquanto assistimos um seriado ou uma pipoca enquanto vemos um filme só acontece porque nosso cérebro está “distraído” — assim, comemos tudo sem perceber. O mesmo costuma acontecer em encontros com amigos onde a conversa rola solta.

“É comum não repararmos no som que emitimos quando estamos comendo, mas prestar atenção nisso pode ajudar a reduzir o consumo dos alimentos”, explica Ryan Elder, um dos autores da pesquisa, que foi divulgada pela publicação científica Food Quality and Preference.

O problema, segundo Elder e seus colegas, acontece quando outros sons “mascaram” esses ruídos que nos ajudam a ser mais conscientes quanto ao que comemos. Para averiguar o alcance desse fenômeno, os cientistas fizeram três experimentos analisando o que chamam de “proeminência do som na alimentação”.

Um deles mostrou que as pessoas comem menos quando o som da comida é mais intenso. Para investigar essa relação, os pesquisadores deram fones de ouvido aos voluntários para controlar o volume em que escutavam seus ruídos ao mastigar alguns pretzels.

+ Ter amigos é tão importante para a saúde quanto dietas e exercícios

“Descobrimos que quanto mais alto era o som da mastigação, menos os participantes comiam”, disse Mohr à BBC. “Os efeitos podem não parecer tão grandes (em média, os voluntários comiam um pretzel a menosao escutar os sons), mas, ao longo de uma semana, um mês ou um ano, eles podem se acumular”.

Via BBC