Saúde e Bem-Estar

Prestar atenção no som da mastigação pode ajudar a comer menos

Prestar atenção no som da mastigação pode ajudar a comer menos

Sabe aquele péssimo costume de fazer as refeições enquanto assistimos televisão? Então, saiba que ele pode ser um dos maiores responsáveis por você comer mais do que deveria.

Uma pesquisa recente sugere que prestar atenção no som da mastigação pode ajudar a comer menos. Cientistas da Universidade Brigham Young e da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, fizeram um estudo para analisar esse efeito. Eles concluíram que quanto mais focamos nos barulhos que fazemos ao mastigar, menos comemos.

+ 5 alimentos que podem arruinar a sua dieta e sabotar a perda de peso

O ato de devorar um pacote de salgadinho enquanto assistimos um seriado ou uma pipoca enquanto vemos um filme só acontece porque nosso cérebro está “distraído” — assim, comemos tudo sem perceber. O mesmo costuma acontecer em encontros com amigos onde a conversa rola solta.

“É comum não repararmos no som que emitimos quando estamos comendo, mas prestar atenção nisso pode ajudar a reduzir o consumo dos alimentos”, explica Ryan Elder, um dos autores da pesquisa, que foi divulgada pela publicação científica Food Quality and Preference.

O problema, segundo Elder e seus colegas, acontece quando outros sons “mascaram” esses ruídos que nos ajudam a ser mais conscientes quanto ao que comemos. Para averiguar o alcance desse fenômeno, os cientistas fizeram três experimentos analisando o que chamam de “proeminência do som na alimentação”.

Um deles mostrou que as pessoas comem menos quando o som da comida é mais intenso. Para investigar essa relação, os pesquisadores deram fones de ouvido aos voluntários para controlar o volume em que escutavam seus ruídos ao mastigar alguns pretzels.

+ Ter amigos é tão importante para a saúde quanto dietas e exercícios

“Descobrimos que quanto mais alto era o som da mastigação, menos os participantes comiam”, disse Mohr à BBC. “Os efeitos podem não parecer tão grandes (em média, os voluntários comiam um pretzel a menosao escutar os sons), mas, ao longo de uma semana, um mês ou um ano, eles podem se acumular”.

Via BBC

Mais em Saúde e Bem-Estar

Bananas is good way for healthy carbs

O que comer antes e depois de uma atividade física?

Mariana Castro21/02/2017
Woman receiving cosmetic treatment

Como rejuvenescer a pele sem realizar procedimentos cirúrgicos?

Patricia Machado21/02/2017
Girls dancing at the festival

Dicas para cuidar dos olhos durante o carnaval

Redação Apontador20/02/2017
Happy woman at cafe using laptop

Marca de preservativos lança primeiro chatbot sobre saúde sexual no Brasil

Mariana Castro20/02/2017
Woman measuring her waist

Gene encontrado em verme pode ajudar a combater a obesidade, aponta estudo

Mariana Castro20/02/2017
Marijuana bud

Anvisa autoriza uso de medicamento à base de maconha para tratamento de Alzheimer

Patricia Machado17/02/2017
Doctor's and patient's hand

Câncer é a principal causa de morte por doença entre pessoas de 15 e 29 anos, diz estudo

Patricia Machado15/02/2017
idoso cartao de natal - imagem 3 - reproducao

Idoso com demência recebe cartões no dia dos namorados de pessoas desconhecidas

Mariana Castro14/02/2017
Noisy Nursery Lesson

Ruído nas escolas pode acarretar danos à audição de alunos e professores

Redação Apontador14/02/2017
Measuring fatty abdominal

Dormir menos de 7 horas por dia engorda, garante estudo

Patricia Machado13/02/2017
Alcohol cleaning gel

Anvisa suspende lote de gel antisséptico

Mariana Castro13/02/2017
girl in the forest uses the spray against mosquitoes

Oito produtos que podem perder o efeito ou fazer mal à saúde após o prazo de validade

Redação Apontador13/02/2017
Father and son future

Poupatempo ajuda no reconhecimento de parternidade

Mariana Castro13/02/2017
Audience with hands in the air at a music festival

Pesquisa descobre que música, sexo e drogas ativam as mesmas substâncias no cérebro

Mariana Castro10/02/2017
cadeira de rodas - divulgacao

Tecnologia permite que cadeiras de rodas sejam guiadas por expressões faciais

Patricia Machado10/02/2017