Saúde e Bem-Estar

Pessoas hipocondríacas têm mais chances de sofrer ataques cardíacos

Pessoas hipocondríacas têm mais chances de sofrer ataques cardíacos

Se você já assistiu programas médicos demais e fica encanado com qualquer mínima alteração que sente no corpo, atenção: sua preocupação pode fazer mal à saúde. Um novo estudo revelou que pessoas que se preocupam desnecessariamente com a saúde têm mais que o dobro de chances de desenvolver sérios problemas de coração.

+ Raiva e exercícios intensos elevam o risco de ataque cardíaco, aponta estudo

+ Falta de sono pode fazer você comer mais, sugere pesquisa

A pesquisa foi feita com mais de 7 mil pessoas e mostrou que aquelas com altos níveis de ansiedade em relação à saúde correm mais riscos de ataques cardíacos fulminantes ou dores súbitas no peito. Isto porque hipocondríacos colocam seus corpos em constante estado de alerta. Essa checagem incessante e o estresse consequente dela aumentam os riscos de problemas cardíacos.

“Essas pessoas ficam em alerta na intenção de controlar e detectar sinais precoces de doenças graves”, falou o time de pesquisadores da Universidade de Bergen, na Noruega. “Mas a atenção persistente e exagerada aos sintomas acaba por pressionar os sistemas corporais e aumentar o risco de doenças cardiovasculares”.

+ Vida sexual ativa reduz a chance de problemas cardíacos em mulheres mais velhas, diz estudo

+ Jantar depois das 19h aumenta o risco de ataque cardíaco, aponta pesquisa

Para o estudo, foram examinados os níveis de ansiedade com relação à saúde de cada paciente através de questionários. Eles também foram monitorados durante 12 anos. Em porcentagem, dos 10 pacientes com níveis mais altos de preocupação com relação à saúde do corpo, 6.1 sofreram de ataque cardíaco ou angina. Esse número é mais do que duas vezes maior dos que os casos entre os pacientes que não encanavam com a saúde.

Os cientistas noruegueses acreditam que isso é causado por uma atividade intensa nas partes do corpo que controlam hormônios do estresse, como o cortisol e a adrenalina. Se você está estressado, sua pressão sanguínea se eleva e a frequência cardíaca também aumenta. Homens hipocondríacos estão mais suscetíveis a serem afetados, com 78% de chances de problemas cardíacos. Para as mulheres, essa porcentagem é de 58%.

Foto: Getty Images

Mais em Saúde e Bem-Estar

Friends in the cafe

Álcool compromete o cérebro mesmo sem causar embriaguez, diz pesquisa

Mariana Castro20/04/2017
Girl looking in the mirror

Cinco sinais de que sua pele está envelhecendo rápido

Patricia Machado19/04/2017
Businessman sleeping on the couch

Sonecas deixam as pessoas mais felizes, garante pesquisa

Mariana Castro18/04/2017
Pampering cream

Quatro hábitos que podem prejudicar a pele no inverno

Patricia Machado18/04/2017
Teen woman with headache holding her hand to head

Enxaqueca influencia no desenvolvimento de transtorno de ansiedade, conclui pesquisa

Mariana Castro17/04/2017
Woman doing yoga exercise

Meditar regularmente pode ajudar a reduzir o estresse, diz estudo

Mariana Castro17/04/2017
Portrait of a beautiful little girl with strawberry

Consumir frutas pode reduzir o risco de diabetes, aponta pesquisa

Mariana Castro17/04/2017
Sad little girl

Problema auditivo pode prejudicar o aprendizado das crianças na escola

Mariana Castro11/04/2017
mother teaching daughter to cut vegetables

Mitos e verdades da dieta vegana

Mariana Castro10/04/2017
assadura em bebes - istock

Dicas para tratar assaduras em bebês

Mariana Castro10/04/2017
Mother and daughter

Filhos de mães mais velhas têm menos problemas comportamentais, diz estudo

Mariana Castro07/04/2017
woman tired of diet restrictions craving sweets chocolate

Psicólogos desenvolvem técnica para controlar compulsão por chocolate

Mariana Castro06/04/2017
boy and headphones

Jogar videogame pode ajudar no combate à depressão, afirma pesquisa

Mariana Castro05/04/2017
Woman Suffering From Stomach Ache

Itália planeja oferecer licença remunerada para quem sofrem com cólicas menstruais

Mariana Castro03/04/2017
Prescription Drug

Tomar anti-inflamatórios aumenta o risco de infarto, diz pesquisa

Mariana Castro31/03/2017