Parto humanizado: benefícios e cuidados

Por Mariana Castro em 05/07/2016

De acordo com a pesquisa Nascer no Brasil, realizada pela Fiocruz, o Brasil é líder em cesáreas no mundo e o número desse tipo de parto no país chega a 52%. No entanto, a recomendação da Organização Mundial da Saúde é de que apenas 15% dos partos sejam feitos através da intervenção cirúrgica.

+ Mãe tira fotos do parto e mostra a sua visão da maternidade

+ Você reconheceria a sua mãe de olhos vendados?

Um dos motivos para o crescimento do número de cesáreas é o fato do parto normal ser traumático para muitas gestantes, uma vez que o procedimento é feito com a mulher deitada, não há o acolhimento necessário e muitas pessoas ficam na sala de parto.

Para confortar a mulher, um novo jeito de dar à luz está se tornando popular entre as gestantes. Chamado de parto humanizado, ele visa reumanizar a relação da futura mamãe com o bebê e evitar possíveis frustrações com a experiência do parto.

Mas, afinal, o que é o parto humanizado?

O parto humanizado não é uma terceira opção de parto, mas, sim, um acompanhamento feito com a mulher ao longo da gestação. O método procura mostrar a importância desse período, preparando a gestante para as mudanças que virão com o nascimento.

Por isso, o médico que defende o parto humanizado deve informar o que acontecerá durante a gravidez e deve valorizar a importância de aguardar pelo trabalho de parto. Além disso, como o parto humanizado preconiza que o trabalho de parto deve acontecer de forma espontânea, cabe à mulher decidir se quer ter o parto normal ou a cesariana através dos princípios do parto humanizado.

Segundo Alberto Guimarães, médico especialista em parto humanizado, a função do parto humanizado é desmistificar o conceito do parto ser algo sofrido. “Durante o pré-natal é trabalhada a ideia de que as contrações doem, mas são temporárias, por exemplo. Tendo consciência disso, a mulher lida melhor com a dor, pois não será algo inesperado”, explica o médico.

bebe recem-nascido - thinkstock

Muitos associam a ideia de parto humanizado ao parto que acontece na banheira. No entanto, ele também pode acontecer fora da água com a ajuda da banqueta auxiliar ou da bola de pilates. Além disso, a gestante poderá escolher a posição em que dará à luz: de cócoras, de quatro ou de lado.

Como o parto humanizado tem a missão de atender às necessidades da mulher, o método garante que grávida fique em um ambiente acolhedor e que esteja cercada pelas pessoas que ela escolher.

Em quais casos o parto humanizado pode acontecer?

O parto humanizado é recomendado para todas as mulheres. Ele pode ser feito em um ambiente hospitalar com o acompanhamento de enfermeiras e obstetras ou em casa, caso a gravidez seja de baixo risco.

Para garantir o bem-estar da gestante, uma equipe de assistência médica acompanha o parto e está preparada para agir em caso de emergência. O equipamento e a estrutura para uma cesárea também estarão disponíveis.

“A cesariana também pode ser humanizada. É importante garantir que a mulher saiba porque está sendo operada, a que anestesia ela será submetida e deve-se conversar com ela durante o processo”, explica Alberto.

Por que escolher o parto humanizado?

De forma prática, o parto humanizado defende a importância de aguardar pelo trabalho de parto. Durante as horas em que a gestante está se preparando para dar à luz, o corpo libera hormônios fundamentais para a produção do leite, facilitando o processo de amamentação.

“Ao viver o trabalho de parto, os hormônios também ajudam a mãe a lidar com os desafios de cuidar de um bebê e fortalece o vinculo entre mãe e filho. É como se ela se desse conta da transformação que está ocorrendo em sua vida. Em um parto comum, essa experiência não é incentivada”, afirma o médico.

Fotos: Thinkstock