Pais viciados em smartphone podem prejudicar o comportamento dos filhos, diz estudo

Por Mariana Castro em 30/05/2017

O uso intenso de smartphones tem causado impactos comportamentais nas relações sociais e pode causar, inclusive, problemas de saúde. No entanto, até agora, os cientistas não sabiam que o vício em redes sociais e aplicativos poderia prejudicar não apenas o usuário, mas também seus filhos.

+ Redes sociais aumentam a sensação de solidão, afirma pesquisa

+ Uso excessivo de dispositivos móveis pode causar problemas de visão em crianças, diz estudo

Um estudo realizado pela Universidade de Michigan e pela Universidade do Estado de Illinois, nos Estados Unidos, analisou a quantidade de vezes que os pais davam mais atenção para seus celulares do que para seus filhos. Cerca de 48% dos pais interrompia suas atividades com os filhos para usar o dispositivo três ou mais vezes por dia. Apenas 11% relataram nunca fazer isso.

Em paralelo, também foi analisado o comportamento das crianças. A pesquisa mostrou que filhos de pais que usam frequentemente smartphones têm mais chances de apresentar problemas comportamentais. Isso, provavelmente, é causado pelo sentimento de rejeição que a interrupção das atividades entre pais e filhos causa.

+ Uso diário de dispositivos móveis pode prejudicar o sono das crianças, diz estudo

De acordo com os cientistas, as pausas para checar as mensagens nas redes sociais, por exemplo, podem levar as crianças a chamar a atenção dos pais através de surtos repentinos ou atitudes inadequadas. Por menor que sejam, essas distrações podem levar os pequenos a um sentimento de irritabilidade que, a longo prazo, pode deixá-los hiperativos e, até mesmo, depressivos.

“Também é possível que os pais de crianças com dificuldades comportamentais sejam mais propensos a desestressar com a tecnologia durante o tempo em que passam com os filhos. É realmente difícil processar todas as informações, entre as redes sociais e os interesses sociais e emocionais de nossos filhos, ao mesmo tempo”, afirmou a professora de pediatria da Universidade de Michigan, Jenny Radesky, ao Daily Mail.

Foto: Getty Images