Mulheres preferem fazer depilação íntima mesmo que a atitude ofereça riscos, revela estudo

Por Mariana Castro em 01/08/2016

Apesar de especialistas afirmarem ser mais saudável manter os pelos pubianos, aparentemente as mulheres não têm dado ouvidos para isso. Uma nova pesquisa revelou que o número de mulheres que depilam a região é cada vez maior e diversas razões são atribuídas a isso.

+ Alimentação afeta o odor da vagina, diz sexóloga

+ Mitos e verdades sobre depilação

O novo estudo foi realizado nos Estados Unidos e publicado no jornal JAMA Dermatology. Das participantes entrevistadas, 84% aparavam os pelos ou se depilavam de alguma forma, sendo que 62% delas removiam todos os pelos da região íntima. Os resultados ainda revelaram que as mulheres brancas entre 18 e 34 anos são as que mais raspam ou depilam a área.

Segundo outra pesquisa promovida pela marca Gilette, a maior parte das atrizes pornográficas se depila completamente, o que faz as mulheres acreditarem que precisam disso para manter suas relações sexuais.

Mais que isso, o que outros estudos revelam é que elas acreditam ser mais higiênico se livrar dos pelos. Mas atenção, mulheres – principalmente as que sofrem com a dor da depilação a cada ida ao centro estético: as evidências científicas mostram exatamente o contrário.

Diversas complicações podem surgir do ato de depilar. Algumas delas são: alergias, pelos encravados e pequenas feridas que, juntamente ao calor e umidade da região, formam um ambiente propício para a proliferação de bactérias.

Vanessa Mackay, ginecologista membro do Royal College of Obstetricians and Gynaecologists, elencou ao The Independent os benefícios de manter os pelos pubianos:

  • Os pelos criam uma barreira natural para impedir o contato da vagina com vírus e bactérias
  • Os pelos são capazes de proteger a pele sensível da região da vagina
  • Os pelos controlam a umidade da área, diminuindo as chances de infecções por fungos
  • Os pelos ajudam na prevenção de herpes genitais, diminuindo o contato com a pele de alguém que pode já ter a doença

Foto: Thinkstock