Saúde e Bem-Estar

Flexibilidade no horário de trabalho faz as pessoas trabalharem mais, conclui pesquisa

Flexibilidade no horário de trabalho faz as pessoas trabalharem mais, conclui pesquisa

Se você pudesse trabalhar a hora que quisesse e onde quisesse, quanto tempo você trabalharia por dia? Muitos diriam que usariam essa liberdade para passar mais tempo com suas famílias ou fazendo outras atividades. Mas, ao contrário do que se imagina, a flexibilidade no horário de trabalho leva as pessoas a trabalharem por mais horas quando comparado com aquelas que têm um horário fixo de trabalho.

+ Checar e-mails fora do trabalho causa estresse e problemas conjugais, aponta pesquisa

+ Como ser mais feliz no trabalho

Os pesquisadores Heejung Chung e Yvonne Lott examinaram a quantidade de horas extras que trabalhadores alemães faziam quando passavam a ter mais controle dos seus horários de trabalho. O estudo, publicado no periódico European Sociological Review, revelou que o número de horas trabalhadas era maior quando os funcionários tinham autonomia sobre seus horários.

Diversas razões podem levar a este padrão. A troca de favores é uma delas: pessoas que concedem mais liberdade a seus funcionários recebem, em troca, mais dedicação no trabalho, como uma tentativa de mostrar que eles podem ter mais autonomia. Outra razão pode ser uma estratégia de departamento de recursos humanos do local de trabalho, que se preocupa menos com horários rígidos e mais com a produtividade dos funcionários.

Diferenças de gênero 

Mulheres que trabalham meio período, geralmente, o fazem para atender as demandas familiares no restante do tempo. Por isso, elas não fazem horas extras como homens quando têm horários mais flexíveis. Já as mulheres que trabalham período integral, mesmo as que são mães, fazem a mesma quantidade de horas extras que homens com horários flexíveis.

Foto: Getty Images

Mais em Saúde e Bem-Estar

Marijuana bud

Anvisa autoriza uso de medicamento à base de maconha para tratamento de Alzheimer

Patricia Machado17/02/2017
Doctor's and patient's hand

Câncer é a principal causa de morte por doença entre pessoas de 15 e 29 anos, diz estudo

Patricia Machado15/02/2017
idoso cartao de natal - imagem 3 - reproducao

Idoso com demência recebe cartões no dia dos namorados de pessoas desconhecidas

Mariana Castro14/02/2017
Noisy Nursery Lesson

Ruído nas escolas pode acarretar danos à audição de alunos e professores

Redação Apontador14/02/2017
Measuring fatty abdominal

Dormir menos de 7 horas por dia engorda, garante estudo

Patricia Machado13/02/2017
Alcohol cleaning gel

Anvisa suspende lote de gel antisséptico

Mariana Castro13/02/2017
girl in the forest uses the spray against mosquitoes

Oito produtos que podem perder o efeito ou fazer mal à saúde após o prazo de validade

Redação Apontador13/02/2017
Father and son future

Poupatempo ajuda no reconhecimento de parternidade

Mariana Castro13/02/2017
Audience with hands in the air at a music festival

Pesquisa descobre que música, sexo e drogas ativam as mesmas substâncias no cérebro

Mariana Castro10/02/2017
cadeira de rodas - divulgacao

Tecnologia permite que cadeiras de rodas sejam guiadas por expressões faciais

Patricia Machado10/02/2017
Beautiful pregnant business woman

Carregar peso e trabalhar à noite pode influenciar a fertilidade, diz pesquisa

Mariana Castro10/02/2017
Smiling woman in a shower

Cinco objetos extremamente sujos que tocamos diariamente

Patricia Machado09/02/2017
cooked rice

O modo como você cozinha o arroz pode ser perigoso para a saúde, revela pesquisa

Mariana Castro09/02/2017
Red and white pills coming out of bottle on Caucasian hand

Ibuprofeno não é tão eficaz para dores e pode gerar efeitos colaterais, diz estudo

Mariana Castro08/02/2017
Zika virus aedes aegypti Dengue chikungunya Mayaro fever human skin

Dengue e chikungunya: conheça as diferenças entre as doenças

Patricia Machado08/02/2017