Saúde e Bem-Estar

Fases do trabalho de parto: conheça cada uma e saiba como identificá-las

Fases do trabalho de parto: conheça cada uma e saiba como identificá-las

Uma das grandes preocupações da mulher durante a gestação é o trabalho de parto. Diversas imagens, teorias e relatos colaboraram para que a mulher tivesse medo desse momento que, na verdade, deveria ser compreendido como algo único para o bebê e a futura mãe.

+ Conheça o hypnobirthing, técnica que promete diminuir a dor durante o trabalho de parto

+ Parto humanizado: benefícios e cuidados

O trabalho de parto tem a missão de ajudar o bebê a se preparar para a vida extrauterina. Além disso, o trabalho de parto irá fazer com que a mãe seja exposta a diferentes hormônios para facilitar a amamentação e preparar o seu corpo para o nascimento da criança.

Para estreitar o vínculo entre mãe e filho, esse momento também irá aumentar a produção de ocitocina, que é conhecido como o hormônio do amor, na mulher. Por tudo isso, é importante e recomendável que a gestante se permita viver o trabalho de parto.

E, para desmistificar o tema, Milena Guiotti, que trabalha como doula, e Silvia Briani, que é enfermeira obstétrica, explicaram quais são as fases do trabalho de parto. Assim, você poderá entender o processo e se preparar para o que vai acontecer.

Confira:

Fase 1: Pródromos

Nesta fase, o corpo começa a dar os primeiros sinais de que o trabalho de parto vai começar. A mulher começa a sentir desconfortos e contrações, geralmente durante a noite, pois o colo do útero está sendo preparado para o parto. Muitas mulheres acabam indo para a maternidade nesse momento, mas os pródromos podem durar horas ou até mesmo dias. “O corpo está liberando hormônios para se preparar para o nascimento. Então, não é um alarme falso, como muitos dizem, porque nada é em vão nesse processo”, conta Silvia.

Fase 2: Latente

Durante esta fase, acontecem os primeiros centímetros de dilatação, que chega, geralmente, até 6 centímetros. As contrações já estão mais dolorosas, mas ainda são curtas, com duração entre 30 e 40 segundos. Elas acontecem de forma espaçada e não ritmadas, variando, na maioria dos casos, entre 10 e 20 minutos.

Fase 3: Ativa

É só então que a mulher precisa, de fato, ir para o hospital. As contrações já estão mais dolorosas, acontecendo em um espaço curto de tempo e durando mais. Por isso, a mulher começa a ficar mais reclusa, concentrada. Ela já não consegue falar tanto, por exemplo, porque demora para se recuperar entre uma contração e outra. Além disso, geralmente, a bolsa se rompe, pois a cabeça do bebê está fazendo pressão no canal vaginal.

Fase 4: Transição

Nesta fase acontecem os últimos centímetros de dilatação – em torno de 8 ou 10. As contrações são intensas e ocorrem com muita proximidade. A mulher sente que o bebê começa a descer, o que faz com que ela tenha o reflexo de fazer força. Naturalmente, é nesta fase que ela sente mais medo por achar não vai aguentar e pode pedir por uma anestesia ou até uma cesariana. “Os medos que vem à tona são, na minha percepção, os medos em relação à maternidade. A partir daquele momento, ela não será mais a mesma, não saberá quem é aquela criança e nem exatamente o que fazer”, diz Milena.

+ Qual é o papel do pai durante a gestação?

Fase 5: Expulsivo

Esta fase se refere à saída do bebê do ventre da mãe. Se tudo ocorrer bem, ele consegue sair sozinho, sem precisar ser puxado por alguém. Durante esse momento é essencial que haja o monitoramento de seus batimentos cardíacos. Isso indicará se o pequeno está bem.

Alguns médicos determinam um limite de tempo para que essa fase ocorra após atingir a dilatação de 10 centímetros. Geralmente, o tempo estimado varia entre uma ou duas horas. Apesar disso, Silvia condena essa prática. “Na verdade, não há limite de tempo pois esse é um momento da mãe e do bebê. Se está tudo bem com ambos, não há por que apressar essa fase”, explica a enfermeira obstétrica.

Quando o parto acaba?

Só é possível afirmar que o parto acabou, definitivamente, quando a mulher elimina a placenta. O ideal é deixá-la sair sozinha, o que pode durar 30 minutos ou até algumas horas. Quando isso acontece, o útero poderá voltar a se contrair, minimizando o risco de hemorragia pós-parto.

Foto: Getty Images

Mais em Saúde e Bem-Estar

Bananas is good way for healthy carbs

O que comer antes e depois de uma atividade física?

Mariana Castro21/02/2017
Woman receiving cosmetic treatment

Como rejuvenescer a pele sem realizar procedimentos cirúrgicos?

Patricia Machado21/02/2017
Girls dancing at the festival

Dicas para cuidar dos olhos durante o carnaval

Redação Apontador20/02/2017
Happy woman at cafe using laptop

Marca de preservativos lança primeiro chatbot sobre saúde sexual no Brasil

Mariana Castro20/02/2017
Woman measuring her waist

Gene encontrado em verme pode ajudar a combater a obesidade, aponta estudo

Mariana Castro20/02/2017
Marijuana bud

Anvisa autoriza uso de medicamento à base de maconha para tratamento de Alzheimer

Patricia Machado17/02/2017
Doctor's and patient's hand

Câncer é a principal causa de morte por doença entre pessoas de 15 e 29 anos, diz estudo

Patricia Machado15/02/2017
idoso cartao de natal - imagem 3 - reproducao

Idoso com demência recebe cartões no dia dos namorados de pessoas desconhecidas

Mariana Castro14/02/2017
Noisy Nursery Lesson

Ruído nas escolas pode acarretar danos à audição de alunos e professores

Redação Apontador14/02/2017
Measuring fatty abdominal

Dormir menos de 7 horas por dia engorda, garante estudo

Patricia Machado13/02/2017
Alcohol cleaning gel

Anvisa suspende lote de gel antisséptico

Mariana Castro13/02/2017
girl in the forest uses the spray against mosquitoes

Oito produtos que podem perder o efeito ou fazer mal à saúde após o prazo de validade

Redação Apontador13/02/2017
Father and son future

Poupatempo ajuda no reconhecimento de parternidade

Mariana Castro13/02/2017
Audience with hands in the air at a music festival

Pesquisa descobre que música, sexo e drogas ativam as mesmas substâncias no cérebro

Mariana Castro10/02/2017
cadeira de rodas - divulgacao

Tecnologia permite que cadeiras de rodas sejam guiadas por expressões faciais

Patricia Machado10/02/2017