Exercícios de alta intensidade podem afetar a longevidade, diz estudo

Por Mariana Castro em 02/05/2017

Se exercitar regularmente é uma prática que só traz benefícios para a saúde. Dentre as diversas modalidades de atividades físicas, uma tem se destacado por suas vantagens e resultados. HIIT, abreviação de High Intensity Interval Training, é o termo inglês para Treino Intervalado de Alta Intensidade. Segundo novos estudos, esse exercício pode contribuir não só para a boa forma, mas para a longevidade.

+ Conheça o HIIT, treino que garante ótimos resultados em menos tempo

+ Praticar exercícios pode reverter estágio inicial de demência, diz estudo

Além de diminuir o porcentual de gordura, aumentar a capacidade cardiorrespiratória e melhorar a resistência e a densidade muscular, o exercício pode alterar mudanças relacionadas ao envelhecimento em nível celular. Para a pesquisa, foram registrados os níveis de insulina e o índice de massa corporal (IMC) de dois grupos: um de 18 a 30 anos e outro de 65 a 80 anos.

Depois, os participantes foram divididos em três equipes. Uma delas praticou o HIIT com bicicleta, a outra um treinamento de resistência com levantamento de peso e a última uma mistura de ambos. Todos demonstraram melhor condicionamento físico após o experimento, além de maior sensibilidade à insulina. O que chamou a atenção dos especialistas, entretanto, foi o resultado do HIIT nas alterações em nível celular.

+ Pesquisa revela o segredo da longevidade

A equipe submetida a esse exercício apresentou maior produção de proteína nas células, garantindo um bom funcionamento corporal – algo que diminui conforme o aumento da idade. Além disso, as mitocôndrias musculares, responsáveis por gerar energia para as células, diminuíram seu ritmo de envelhecimento. Os benefícios para a longevidade foram notados em ambas as faixas etárias estudadas.

Foto: Getty Images