Dor nas mamas: quando é normal e quando é preciso investigar

Por Redação Apontador em 07/12/2016

Entre as muitas dores que afetam as mulheres, a dor nas mamas talvez seja uma das mais incômodas e preocupantes. O problema afeta cerca de 60% das mulheres de todas as idades e o câncer de mama é o que mais mata no mundo, com cerca de 520 mil mortes ao ano, segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer).

+ Maioria das mães brasileiras não planejava engravidar, aponta estudo

+ Ioga se transforma em patrimônio da humanidade

A dor nas mamas ocorre, principalmente, em alguns períodos específicos do ciclo hormonal. A mastalgia cíclica é aquela que surge no período que antecede a menstruação e no início da puberdade. Ela é caracterizada pelo aumento do volume das mamas e inchaço por retenção de líquidos. Esse tipo de dor é inofensiva.

woman examining breast mastopathy or cancer

Já as dores que não se relacionam ao ciclo hormonal podem ser ocasionais ou contínuas. Elas são, geralmente, bilaterais ou acometem os quadrantes superiores da mama. As principais causas dessas dores são de origem muscoesqueléticas, da parede costal ou por irradiação dos membros superiores. Elas podem estar relacionadas à prática de exercícios físicos, musculação excessiva, uso de sutiãs inadequados ou mesmo traumas locais.

+ Redução das mamas: como e quando fazer?

+ Dormir pouco aumenta o risco de câncer de mama

Os nódulos, hiperemia e hipertermia, quando a mama fica vermelha e aquecida, são as características que mais preocupam as mulheres. Nesses casos, é imprescindível consultar um médico.

“As mulheres que fazem o autoexame conseguem perceber as alterações muito precocemente. Dessa forma, o benefício é maior, assim como a própria evolução do quadro para uma recuperação completa”, alerta Telma Regina Mariotto Zakka, ginecologista e membro da Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED).

Cerca de 80% dos nódulos mamários são benignos e passíveis de detectar através do autoexame. Ainda assim, é imprescindível fazer os exames de mamas convencionais conforme indicação médica, principalmente após os 35 anos.

Foto: iStock