Saúde e Bem-Estar

Ciência está cada vez mais perto de conseguir “apagar” memórias ruins

Ciência está cada vez mais perto de conseguir “apagar” memórias ruins

Todos nós já vivemos experiências no passado que gostaríamos de apagar: términos de relacionamentos, experiências traumáticas, perdas. Mas, muitas vezes, não importa o quanto tentemos, essas memórias continuam a nos assombrar, desencadeando crises de ansiedade, fobias ou distúrbios de estresse pós-traumático.

+ Por que temos lapsos de memória?

+ Por que nós sonhamos?

Agora, um estudo mostra que as memórias não são tão permanentes quanto se pensava. Na verdade, cientistas descobriram um método para apagar memórias ruins e adicionar novas no lugar.

No passado, acreditava-se que as memórias ficavam armazenadas em um local específico, como um armário de arquivo neurológico. Mas, na realidade, a química é quem age como essa “máquina”.  Cada vez que lembramos de algo, proteínas estimulam nossas células cerebrais para crescerem e criarem conexões. E toda a vez que isso acontece com uma memória ruim, substâncias como a norepinefrina e a noradrenalina entram em cena.

O que os estudos mostram é que se essas substâncias podem ser bloqueadas a partir de uma pílula e, se trabalhadas junto com o redirecionamento da mente, as pessoas podem sim superar grandes traumas até que sua memória apague o que lhe faz mal.

Devido às implicações éticas, os pesquisadores ainda não tentaram, explicitamente, excluir uma memória em sua totalidade em seres humanos, mas a evidência sugere que isso seria possível, dada a combinação certa de medicamentos e exercícios de recall.

O ponto mais preocupante da pesquisa é a investigação sobre como isso torna fácil para os cientistas implantar falsas memórias em pessoas. Ao manipular o mesmo processo de reconsolidação, a psicóloga Julia Shaw tem mostrado que é possível fazer as pessoas se lembrarem de um crime que nunca cometeram — e até mesmo fornecer detalhes vívidos sobre o evento fictício.

Você pode ver o seu trabalho em ação abaixo — um tanto assustador, por sinal:

Segundo Michael Bicks, diretor do documentário Memory Hackers, em última instância, o objetivo do projeto não é eliminar memórias dolorosas das pessoas inteiramente, como tentam fazer em Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças, mas simplesmente ajustá-las para que elas sejam menos perturbadoras.

Não são exatamente as memórias que nos causam dor, mas as associações que fazemos a elas. “Não queremos limpar nossos ‘hard drives’. A habilidade de esquecer coisas doloridas nos permite criar novas histórias sobre quem somos”, conclui.

Mais em Saúde e Bem-Estar

Neurons in the brain

Cientistas criam mão robótica para ajudar pessoas tetraplégicas

Patricia Machado09/12/2016
Woman in pain laying in bed

Terapia virtual pode ajudar no tratamento da insônia

Redação Apontador09/12/2016
Pain in abdomen

Depilar a região íntima aumenta o risco de contaminação por DSTs, aponta pesquisa

Patricia Machado08/12/2016
People celebrating

Abusar do álcool na adolescência afeta a memória, diz pesquisa

Patricia Machado08/12/2016
Choosing between apple and doughnut

Fazer diferentes dietas com frequência contribui para o ganho de peso, diz estudo

Mariana Castro08/12/2016
Male doctor checking mammography machine scan with patient woman

Dor nas mamas: quando é normal e quando é preciso investigar

Redação Apontador07/12/2016
A closeup of a woman doing yoga outside with two other women

Ioga se transforma em patrimônio da humanidade

Patricia Machado06/12/2016
Happy smiling child enjoys listens to music in headphones

Cientistas criam playlist capaz de reduzir a ansiedade e o estresse

Mariana Castro06/12/2016
The pregnant woman who has an examination

Maioria das mães brasileiras não planejava engravidar, aponta estudo

Patricia Machado05/12/2016
man in bed eyes opened suffering insomnia and sleep disorder

Dormir com raiva favorece a criação de memórias negativas, diz pesquisa

Mariana Castro05/12/2016
hands of Concerned Women for medical report written by doctor

Mitos e verdades sobre a endoscopia

Patricia Machado05/12/2016
Happy little girl outdoors

Falta de exposição à luz do dia contribui para o desenvolvimento de miopia, aponta estudo

Mariana Castro05/12/2016
HIV blood sample

Mais de 110 mil brasileiros têm o vírus do HIV e não sabem disso, aponta relatório

Patricia Machado01/12/2016
Selection of tropical fruits on white background

Laranja e abacaxi são os alimentos que contém mais agrotóxicos

Mariana Castro01/12/2016
Pretty Woman makes a choice between bad food

Coaching de emagrecimento é novidade para quem deseja perder peso

Carolina Romanini01/12/2016