Cafeína estimula enzima que pode prevenir demência, diz pesquisa

Por Mariana Castro em 20/03/2017

Para muitos, o café é, além de uma ótima bebida, uma alternativa para se manter acordado. A partir de agora, os apaixonados pela bebida têm mais um bom motivo para consumi-la: segundo uma nova pesquisa, a cafeína é capaz de prevenir contra estados de demência, como a doença do Alzheimer.

+ Genética pode influenciar a vontade de tomar café, diz pesquisa

+ Conheça os benefícios do chá para o organismo

No ano passado, os pesquisadores da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, identificaram uma enzima, batizada de NMNAT2, capaz de proteger os neurônios dos efeitos do estresse e do acúmulo da proteína Tau, que pode levar à demência se apresentar defeitos. O estudo identificou 24 compostos que estimulam a produção dessa enzima protetora, dentre eles a cafeína.

Para confirmar o efeito da cafeína, a equipe analisou camundongos que tinham uma baixa produção de NMNAT2. Consumindo café, esses animais conseguiram produzir os mesmos níveis da enzima que os ratos normais. Também foram testados ratos que produziam altos níveis de Tau, o que aumentaria as chances de desenvolver a doença. Nesses, foi observado uma melhora na memória e na atividade cerebral.

+ Alimentação afeta o odor da vagina, diz sexóloga

Outros compostos, como o ácido retinóico derivado da vitamina A, também demonstraram bons resultados. Para os cientistas, eliminar a proteína Tau é uma das melhores formas de combater doenças neurodegenerativas. Além disso, produzir remédios que aumentem os níveis dessa enzima protetora no cérebro pode ser uma forma de evitar o desenvolvimento de doenças como o Alzheimer.

Foto: Getty Images