Saúde e Bem-Estar

Brasileiros dormem menos, diz pesquisa

Brasileiros dormem menos, diz pesquisa

Quantas vezes você disse que estava cansado e que adoraria tirar um cochilo hoje? Muitas? Pois bem, a sensação de cansaço tem uma explicação científica. Brasileiros, japoneses e cingapurianos figuram entre as nacionalidades que têm as noites de sono mais curtas do mundo, segundo novo estudo publicado na revista Science Advances.

+ Mulheres precisam de mais horas de sono do que os homens, diz pesquisa

+ Vídeo mostra o que acontece com o nosso corpo quando não dormimos direito 

A equipe da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, coletou dados sobre o sono de 8 mil pessoas em 128 países. Para obter as informações, eles utilizaram um aplicativo chamado Entrain. A ideia era analisar a quantidade de sono que as pessoas tinham por dia ao anotarem no app o horário em que se deitavam e levantavam.

A pesquisa mostrou que pessoas no Japão, Cingapura e Brasil estão entre as que menos dormem em todo o mundo, porque elas acordam no mesmo horário que as pessoas no restante do planeta, mas vão para a cama mais tarde. Enquanto isso, os holandeses desfrutam de longas horas de sono e são considerados as pessoas que mais dormem no mundo.

Os pesquisadores descobriram que fatores sociais e obrigações profissionais são as razões para que os brasileiros não durmam cedo. Além disso, a pesquisa concluiu que o horário de acordar é influenciado pelo relógio biológico. Dessa maneira, o horário em que você vai para cama é que dita se você vai dormir muito ou pouco, uma vez que o seu corpo tenderá a acordar sempre no mesmo horário.

A partir dessas informações, os cidadãos de Cingapura têm a noite de sono mais curta do mundo, com 7h24. Os japoneses ficaram em segundo, com 7h30, e os brasileiros em terceiro lugar, com 7h36. Os dados mostram ainda que os japoneses vão para a cama às 23h30, enquanto os brasileiros se deitam por volta das 23h40.

Já os holandeses, campeões em horas de sono, costumam passar 8h16 dormindo. Eles são seguidos pela Bélgica e Nova Zelândia, que dormem 8h por dia.

Foto: Thinkstock

Mais em Saúde e Bem-Estar

Mexican chili con carne in a pan on a wooden

Comida apimentada pode reduzir o risco de morte, aponta pesquisa

Mariana Castro16/01/2017
portrait of happy young business man at office

Levantar durante o trabalho ajuda a queimar calorias, diz estudo

Patricia Machado16/01/2017
Salt spilling on table from salt cellar

Reduzir o consumo de sal poderia salvar milhões de vidas, aponta estudo

Patricia Machado16/01/2017
Feeling sick and tired.

Pesquisa descobre como o estresse aumenta o risco de doenças cardiovasculares

Mariana Castro15/01/2017
Woman meditating in the lotus position closeup

Meditação, Reiki e musicoterapia serão oferecidos pelo SUS

Patricia Machado13/01/2017
medium roast steak

Consumir carne vermelha em excesso pode causar doença intestinal, diz estudo

Mariana Castro13/01/2017
bonecas de proposito - reprodução

Aposentada cria bonecas terapêuticas para confortar crianças internadas

Mariana Castro13/01/2017
Boy using digital tablet while lying on rug at home

Uso excessivo de dispositivos móveis pode causar problemas de visão em crianças, diz estudo

Patricia Machado12/01/2017
projeto acucar - capa - reproducao

Projeto mostra a quantidade de açúcar em produtos industrializados

Patricia Machado11/01/2017
tired woman runner taking a rest after running hard

Fazer exercícios apenas no final de semana pode ser bom para a saúde, diz pesquisa

Mariana Castro11/01/2017
Woman smoker smoking a filter tip

Tabagismo deve causar a morte de 8 milhões de pessoas por ano até 2030, diz estudo

Patricia Machado10/01/2017
Man sleeps on office table over laptop with coffee

Uma hora de sono após o almoço pode rejuvenescer o cérebro, diz pesquisa

Mariana Castro10/01/2017
Young Female Patient Talking To Nurse In Emergency Room

Hospital exclusivo para mulheres é inaugurado na Bahia

Patricia Machado09/01/2017
Woman cleaning ear

Por que não é recomendável limpar o ouvido com cotonete?

Mariana Castro09/01/2017
traffic

Viver perto de vias movimentadas aumenta o risco de demência, diz estudo

Patricia Machado06/01/2017